PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Paulo Sampaio


Em mercado de elite de SP, clientela estoca mantimentos para encarar vírus

Governanta conta que é o terceiro supermercado em que ela entra naquela manhã: "O senhor pra quem eu trabalho está desesperado" - Paulo Sampaio/UOL
Governanta conta que é o terceiro supermercado em que ela entra naquela manhã: "O senhor pra quem eu trabalho está desesperado" Imagem: Paulo Sampaio/UOL
Paulo Sampaio

Nascido no Rio de Janeiro em 1963, Paulo Sampaio mudou-se para São Paulo aos 23 anos, trabalhou nos jornais Folha de S. Paulo e Estado de S. Paulo, nas revistas Elle, Veja, J.P e Poder. Durante os 15 anos em que trabalhou na Folha, tornou-se especialista em cobertura social, com a publicação de matérias de comportamento e entrevistas com artistas, políticos, celebridades, atletas e madames.

Colunista do UOL

14/03/2020 04h02

Obcecada com a ideia de se proteger do temível coronavírus, a próspera clientela da Casa Santa Luzia, supermercado frequentado há 94 anos pela elite de São Paulo, anda preterindo trivialidades como a terrine de canard au foie gras e o creme de marron confitado ao vinho de Jerez. De três dias pra cá, passou a dedicar-se freneticamente ao estoque de álcool gel, papel higiênico e carne.

Em um surto muito próprio, cujos sintomas nada têm a ver com os da gripe, a nata da sociedade paulistana se vê enredada em um angustiante engarrafamento de carrinhos pilotados por madames em desatino, motoristas e empregadas domésticas. Desde quarta-feira, o Santa Luzia registra diariamente um aumento de 60% na média de 5.000 clientes que entram ali — algo inédito nesta época do ano.

"Só no Natal a gente costuma ter esse fluxo", diz a diretora do supermercado, Ana Maria Lopes. Ela explica que a diferença agora é que as pessoas estão se dirigindo mais às gôndolas de material de limpeza. "São produtos comprados em quantidade, para estocar", afirma ela, que há cerca de 30 anos toma conta pessoalmente do movimento da loja.

Filé e Neve

O álcool gel, vendido ali por R$ 21,30 (500 ml) e R$ 9,80 (140 ml), é o item mais procurado. Na sexta-feira, estava esgotado.

A reposição nas prateleiras de papel higiênico, comprado em proporções amazônicas (R$ 19,00 o pacote de Neve, com 12), quase não dá conta da demanda.

Na seção das carnes, o que mais sai é o filé mignon. Dependendo do corte, o preço do quilo pode variar de R$ 114 (peça inteira) a R$ 126,00.

Aos VIP que desejam compensar o martírio do exílio doméstico com um afago nas papilas gustativas, indica-se a elaborada carne extraída do boi japonês wagyu. R$ 1.020, o quilo.

Dona de casa obstruída por pacotes de papel higiênico e toalha, que estão entre os itens mais procurados - Paulo Sampaio/UOL
Dona de casa obstruída por pacotes de papel higiênico e toalha, que estão entre os itens mais procurados
Imagem: Paulo Sampaio/UOL

Três vezes mais

Nove dos 12 corredores que separam as gôndolas do Santa Luzia são atravessados por filas que saem dos caixas e se estendem até a parte de trás do mercado, onde estão as carnes, pães, frutas e legumes.

Seção de carnes aguarda reposição, fato inédito: reforço de funcionários - Foto: Paulo Sampaio/UOL
Seção de carnes aguarda reposição, fato inédito: reforço de funcionários
Imagem: Foto: Paulo Sampaio/UOL

Em uma das filas está a governanta Alessandra Gabana, 49 anos, que faz sua terceira incursão a um supermercado na manhã de sexta. Ela diz que seu patrão, um senhor de 96 anos, ficou "desesperado" com as notícias sobre o vírus. "Levei três vezes a quantidade que eu costumo comprar de arroz e feijão, e ainda voltei para pegar açúcar e carne", conta Alessandra, que há quatro anos trabalha na mesma casa.

Apesar de não ter enfrentado congestionamentos nos outros mercados, ela diz que não encontrou lá alimentos kosher: "Aqui tem a comida judaica que ele gosta", diz.

Meio famosinha

No caixa em frente à fila está uma advogada de estimados 35 anos, que não quer se identificar nem revelar a idade. Diz que não pode ser reconhecida: "Sou meio famosinha, melhor não."

Por duas vezes, ela saca nervosamente o frasco de álcool gel da bolsa Balenciaga e esfrega as mãos. Em cerca de três minutos, renova a aplicação. Diz que sim, está estocando mantimentos e que levou "100% a mais do que o normal". Rindo: "Tenho um pouco de vergonha de dizer."

Advogada aplica duas vezes álcool gel nas mãos e diz que comprou "100% mais que o de costume"  - Paulo Sampaio/UOL
Advogada aplica duas vezes álcool gel nas mãos e diz que comprou "100% mais que o de costume"
Imagem: Paulo Sampaio/UOL

Ali perto, a arquiteta Carolina Glezer, 43, afirma que "nem em feriado judaico eu vi isso aqui tão cheio". Caroline conta que, entre seus conhecidos, "tem muita gente armazenando mantimento". "Bateu desespero na galera. Eu, por precaução, tô levando um pouco mais de arroz, feijão, papel higiênico e leite", explica.

A arquiteta Caroline Glezer: "Nem em feriado judaico eu vi o Santa Luzia assim" - Paulo Sampaio/UOL
A arquiteta Caroline Glezer: "Nem em feriado judaico eu vi o Santa Luzia assim"
Imagem: Paulo Sampaio/UOL

Carrinho abarrotado

Ilhado no meio do congestionamento, com dois carrinhos abarrotados, o motorista Edson Manoel dos Santos, 43, calcula que a lista feita pela patroa está 80% maior do que a de sempre. Ele aguarda a empregada da casa, enquanto ela pega mais produtos nas gôndolas. "É a mesma compra, mas em maior quantidade", diz ele, que trabalha há quatro anos com uma família que mora no Jardim Europa, zona oeste da cidade.

Na análise de Ana Maria Lopes, "nós estamos vivendo um momento de muita rapidez na comunicação". "Existe o lado bom e o ruim. Não há tempo para se envolver com uma informação, porque logo vem outra. Eu acho que a população vai precisar de uns dias até assimilar o que está acontecendo e formar uma opinião própria."

Folia do abricó

Quinta em uma fila de 12 pessoas, a libanesa Claude Zelul, 87, reage à atmosfera de Deus-nos-acuda que tomou conta do mercado com um acento francês: "Isso aqui é uma folia (folie = loucura)." Mas assume sua participação: "Claro que estou comprando a mais, preciso ter uma reserva em casa. E se eu morrer?"

Entrementes, há uma ala de frequentadores que ri da movimentação atípica. "É um surto neurótico coletivo", define a publicitária Nani Kleebank. Ela sugere que se olhe para o que as pessoas estão levando nos carrinhos: "Tem papel higiênico, mas também frios maravilhosos, geleias de marmelo e abricot, croissants recheados. Rico morre em grande estilo!"

A dona de casa Cloris Leite, indignada com o pânico: "Gente, ninguém aqui pensa no outro? Pra quê tanto papel higiênico?" - Paulo Sampaio/UOL
A dona de casa Cloris Leite, indignada com o pânico: "Gente, ninguém aqui pensa no outro? Pra quê tanto papel higiênico?"
Imagem: Paulo Sampaio/UOL

Muita bunda

À saída da loja, a dona de casa Cloris Leite, 47, olha incrédula para o "pânico" ao redor. "Essas pessoas não têm um pingo de civilidade, de espírito coletivo. Raspam as prateleiras, levam tudo, ninguém quer saber se vai faltar para os outros."

Para Cloris, quem corre o maior risco de contrair a gripe são os empregados. "Esse vírus chegou ao Brasil com pessoas que viajaram para fora. Aí, a empregada doméstica limpa o vaso sanitário, se contamina e passa para a família dela. Isso sim é preocupante."

Inconformada, Clóris se pergunta: "Pra que essa quantidade de papel higiênico, gente? Será que eles vão ter mesmo tanta bunda pra limpar?"

Paulo Sampaio