PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Após reunião, professores mantêm greve no Rio; ato reúne 2.000, diz PM

PM reforça segurança na área do prédio da Prefeitura do Rio, no centro, onde professores realizam uma manifestação - Reynaldo Vasconcelos/Futura Press
PM reforça segurança na área do prédio da Prefeitura do Rio, no centro, onde professores realizam uma manifestação Imagem: Reynaldo Vasconcelos/Futura Press

Paula Bianchi

Do UOL, no Rio

20/08/2013 16h38

Terminou sem acordo a reunião entre representantes do Sepe (Sindicato dos Profissionais da Educação) e o secretário da Casa Civil do Município do Rio de Janeiro, Pedro Paulo Carvalho (PMDB), nesta terça-feira (20), na sede da prefeitura, no centro da cidade. Com isso, a categoria optou por manter a paralisação pelo menos até sexta-feira (23).

Do lado de fora do prédio do governo, professores, estudantes e apoiadores da greve realizaram um ato que reuniu, segundo a Polícia Militar, duas mil pessoas. Dezenas de PMs, munidos de escudos e cassetetes, formaram um cordão de isolamento na frente do imóvel. Não houve registro de tumulto.

Os professores reivindicam reajuste salarial de 19% (no município) e 28% (no Estado), além de um plano unificado de cargos e salários. O grupo também reclama da decisão da prefeitura de cortar o ponto dos grevistas do município.

"A reunião não chegou ao ponto principal que é o reajuste. A prefeitura está colocando uma coisa ou outra: ou o plano de carreira ou o reajuste. E nós queremos os dois. A prefeitura alega que não tem dinheiro para o reajuste. Nós queremos ver as contas", disse o coordenador do Sepe, Alex Trentino.

As partes voltarão a se reunir nesta quarta-feira (21), dia em que está marcado um novo ato dos professores, dessa vez na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio), no centro, às 14h. De acordo com Trentino, a reunião de hoje marcou o início de uma negociação entre governo e categoria.

A coordenação do Sepe afirma que a paralisação --iniciada no dia 8 de julho-- tem a adesão de metade dos profissionais do Estado e de 90% dos funcionários municipais. Já os governos municipal e estadual afirmam que a greve foi aderida por uma "minoria".

Cotidiano