PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Publicitário que matou zelador é transferido para presídio em Tremembé

Do UOL, em São Paulo

05/08/2014 19h43

O publicitário Eduardo Tadeu Pinto Martins, 47, que confessou ter matado e esquartejado o zelador Jezi Lopes de Souza, foi transferido para o presídio em Tremembé, no interior de São Paulo, no último sábado (2).

No dia 25 de julho, a Justiça de São Paulo aceitou a denúncia feita pelo Ministério Público Estadual contra Martins e sua mulher, a advogada Ieda Cristina Cardoso da Silva, acusados de matar Souza, no dia 30 de junho, ocultar e destruir o cadáver.

O presídio abriga presos envolvidos em crimes de grande repercussão ou ameaçados por outros detentos. Segundo a Secretaria de Administração Penintenciária, Martins não sofreu ameaças, mas foi transferido por precaução, em função do seu perfil.

Além de Martins, também estão em Tremembé presos como Alexandre Nardoni, condenado pelo assassinato da sua filha, Isabela Nardoni; Daniel e Cristian Cravinhos, condenados pelo assassinato do casal Manfred e Marísia von Richtofen, pais de Suzanne (que cumpre pena no setor feminino do presídio); e Lindemberg Alves, que matou sua ex-namorada Eloá Pimentel.

Relembre o caso

Martins e sua mulher foram presos sob a acusação de assassinar o zelador do prédio onde moram, na Rua Zanzibar, na Casa Verde, zona norte de São Paulo.

O corpo, esquartejado e com sinais de queimadura, foi encontrado em 2 de julho, na casa do pai do publicitário na Praia Grande, no litoral paulista. O corpo de Souza foi esquartejado e estava sendo queimado em um latão ao lado de uma churrasqueira, no momento do flagrante.

Martins admitiu o crime, mas afirmou que a morte foi acidental - o zelador teria batido a cabeça no batente da porta após uma luta corporal com ele. Os dois já se desentendiam há algum tempo por questões do condomínio, como o uso de uma vaga na garagem.

O estopim da discussão teria sido a acusação de Martins ao zelador Souza, que estaria roubando suas correspondências e jornais.

Em vídeo gravado pela Polícia Civil, o publicitário nega a participação de Ieda no crime. Imagens da Polícia Civil mostram que uma arma foi encontrada na casa do pai do publicitário em Praia Grande, mas não há confirmação se existe relação dela com o crime.

No vídeo, o publicitário afirma que levou o corpo para o litoral sozinho e que só depois encontrou Ieda em São Paulo. Imagens da câmeras do condomínio mostram que ela o ajudou a levar a mala até um veículo Logan, antes da ida de Martins à Praia Grande.

Cotidiano