Topo

Detritos das barragens de Mariana 'navegam' por rio e chegam a Barra Longa

Rua tomada pela lama e detritos próximo ao centro de Barra Longa (MG) - Prefeitura de Barra Longa
Rua tomada pela lama e detritos próximo ao centro de Barra Longa (MG) Imagem: Prefeitura de Barra Longa

Rayder Bragon

Colaboração para o UOL, em Belo Horizonte

06/11/2015 14h21

A cidade de Barra Longa, em Minas Gerais (a 215 km de Belo Horizonte), foi atingida pelo rejeito de minério de ferro que vazou das barragens da empresa Samarco rompidas no subdistrito de Bento Rodrigues, em Mariana (MG), na tarde desta quinta-feira (5).

Segundo o chefe de gabinete da prefeitura local, Germano Vieira, a cidade fica a 60 quilômetros de distância de Mariana e começou a receber os detritos por volta da meia-noite.

“A lama fede muito. Nós estamos numa situação crítica aqui. A estação de tratamento de água potável foi atingida e estamos sem água”, afirmou Vieira.

Metade da cidade, que tem 6.000 habitantes, foi afetada pela lama, que cobriu ruas e invadiu casas. Ninguém se feriu, mas ao menos 80 famílias precisaram sair de suas casas e procurar abrigo com parentes. Uma avaliação feita nesta sexta-feira (6) detectou três pontes derrubadas, o que isolou duas comunidades rurais, e imóveis com comprometimento estruturais nos muros.

Os dejetos chegaram ao município pelo rio Gualaxo, de acordo com Vieira. “Não existe rio mais. Estamos esperando algum apoio e ajuda da empresa Samarco, mas até agora a empresa não fez contato. A gente já ligou, mas eles não dão posição nenhuma.” 

A assessoria informou que todas as cidades atingidas estão tendo apoio de equipes da Samarco, que inclusive, colocou à disposição sete helicópteros da empresa para ajudar nas buscas, salvamentos e transporte de pessoas e alimentos.

O chefe de gabinete informou que o Corpo de Bombeiros da cidade de Ponte Nova, que fica próxima, chegaram ao município na manhã desta sexta-feira (6) para auxiliar na limpeza. A Defesa Civil municipal também atua neste momento. “Está uma sujeira danada. As casas foram invadidas pela lama. A situação é critica, lamentável mesmo”, descreveu Vieira.

Vídeo mostra rompimento de barragem e desespero

UOL Notícias

Mais Cotidiano