Topo

Ao menos 10 morrem após tentativa de assalto causar acidente de ônibus no PR

Ônibus trafegava na BR 369, entre as cidades de Campo Mourão (512 km de Curitiba) e Mamborê (476 km), no interior do Paraná - Carlos Ohara/UOL
Ônibus trafegava na BR 369, entre as cidades de Campo Mourão (512 km de Curitiba) e Mamborê (476 km), no interior do Paraná Imagem: Carlos Ohara/UOL

Carlos Ohara

Colaboração para o UOL, em Campo Mourão (PR)

09/04/2016 08h43Atualizada em 09/04/2016 15h34

Uma tentativa de assalto a um ônibus com "sacoleiros" vindos do interior paulista ocasionou um acidente com ao menos 10 mortes e 20 feridos na BR 369, entre as cidades de Campo Mourão (512 km de Curitiba) e Mamborê (476 km), no interior do Paraná.

O ônibus com 31 passageiros bateu em eucaliptos à beira da rodovia, após ser alvejado por tiros, por volta de 2h20 da madrugada deste sábado (9). O número de mortes pode se elevar durante o dia, segundo paramédicos que estiveram no local, devido ao estado grave dos feridos.

De acordo com relatos de passageiros que sobreviveram ao desastre, um carro se aproximou da janela do motorista e os suspeitos dispararam vários tiros contra o veículo. O ônibus deixou a cidade de Presidente Prudente, ponto inicial da viagem, por volta das 22h.

Policiais do posto da Polícia Rodoviária Federal em Campo Mourão, no entanto, acreditam que o motorista, que morreu no acidente, tentou fugir dos ladrões em alta velocidade e acabou atravessando a pista. Eles se baseiam no violento impacto do veículo com as árvores e na informação inicial, ainda não confirmada pelo Instituto Médico Legal, de que não foram encontrados ferimentos à bala no corpo do motorista.

Segundo o passageiro Gilmar Polisel, da cidade de Birigui (SP), foram dados ao menos seis tiros contra o ônibus. "Após a colisão, os ladrões ainda desceram do veículo e se aproximaram do ônibus na tentativa de levar alguma coisa. Devem ter se assustado com a cena e fugiram na sequência", disse ele, que teve ferimentos leves. Outro passageiro, o comerciante Gilson de Souza Pinheiro, de Presidente Prudente (SP), disse que estava dormindo, quando ouviu os tiros e o ônibus "chacoalhou", antes da colisão.

O veículo transportava "sacoleiros" das regiões de Adamantina, Dracena, Araçatuba e Presidente Prudente que se dirigiam ao Paraguai para compras de produtos que seriam revendidos posteriormente.

Com placas de Dracena, na região da Alta Paulista, o ônibus pertence a uma pessoa física e está registrado como parte de uma frota de uma empresa de São Paulo, não divulgada pela PRF. Nas laterais, o veículo está identificado como sendo da Manobra Turismo. Apesar de estar registrado na Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), o veículo não tinha autorização para realizar a viagem até Foz do Iguaçu. 

O veículo transportava "sacoleiros" das regiões de Adamantina, Dracena, Araçatuba e Presidente Prudente que se dirigiam ao Paraguai - Carlos Ohara/UOL
O veículo transportava "sacoleiros" das regiões de Adamantina, Dracena, Araçatuba e Presidente Prudente que se dirigiam ao Paraguai
Imagem: Carlos Ohara/UOL

Até o início da manhã deste sábado a PRF ainda não tinha a relação completa dos passageiros e nem a identificação dos mortos, o que deverá ser divulgado ao longo do dia. Ambulâncias do Samu, Corpo de Bombeiros, da concessionária Viapar e de prefeituras da região foram deslocadas ao local para transporte dos feridos que foram levados para hospital de Ubiratã e Campo Mourão.

"Piratas do Asfalto"

A região onde ocorreu a tragédia reúne vários grupos especializados em assaltos a ônibus que transitam com destino ao Paraguai, conforme a PRF. Conhecidos como "Piratas do Asfalto", eles bloqueiam a rodovia e muitas efetuam disparos contra os para-brisas dos veículos para obrigar a parada. Passageiros são saqueados e obrigados a ficarem apenas com as roupas íntimas, após serem abandonados em estradas rurais.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Cotidiano