PM de folga é preso por atirar em integrante do MTST na Grande São Paulo

Flávio Costa

Do UOL, em São Paulo

  • MTST/Arquivo pessoal

    Edilma Aparecida Vieira dos Santos, do MTST, foi baleada durante passeata do grupo em direção à Prefeitura Municipal de Itapecerica da Serra, na Grande São Paulo

    Edilma Aparecida Vieira dos Santos, do MTST, foi baleada durante passeata do grupo em direção à Prefeitura Municipal de Itapecerica da Serra, na Grande São Paulo

Um soldado da Polícia Militar de folga foi preso em flagrante sob a acusação de ser o autor do disparo que atingiu uma integrante do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto) na manhã desta quarta-feira (4), durante uma passeata dos membros da ocupação João Goulart em direção ao prédio da Prefeitura de Itapecerica da Serra, na região da Grande São Paulo.

A informação foi confirmada pelos setores de comunicação da Polícia Militar e da SSP (Secretaria da Segurança Pública), que não revelaram a identidade do soldado. O acusado está há nove anos na corporação. Poucos minutos após o disparo, o PM foi preso por colegas de corporação e levado imediatamente para a delegacia da cidade. Posteriormente, ele será transferido para o Presídio Militar Romão Gomes, localizado na zona norte de São Paulo. Em nota, a SSP informou que o caso foi registrado como tentativa de homicídio. O acusado também deve responder a processo interno da PM, que pode resultar em sua expulsão.

A vítima Edilma Aparecida Vieira dos Santos, 36, caminhava na passeata, quando o PM, que conduzia uma Corsa preto, disparou. Ela foi levada ao Pronto-Socorro Municipal de Itapecerica e depois transferida para o Hospital Geral da cidade, onde passou por uma cirurgia. De acordo com a Secretaria de Saúde do município, o estado clínico dela é considerado estável. Ela está lúcida e consciente.

O acusado atirou com uma pistola automática PT. 40 da Polícia Militar de São Paulo. O tiro acertou a barriga de Edilma.

Ainda não há informações oficiais sobre a motivação do disparo. Na hora, durante a confusão, militantes tomaram nota da placa do carro e informaram a Polícia Militar. O carro foi localizado instantes depois, ainda em Itapecerica, e o suspeito preso. Ao ser detido, o policial militar confirmou que fez o disparo e alegou que havia sido ameaçado pelos manifestantes.

Para o coordenador nacional do MTST Guilherme Boulos, a alegação do policial militar é "absurda", já que a manifestação seguia pacífica. "O que ele cometeu foi uma tentativa de homicídio e colocou em risco a vida de várias pessoas. Essa alegação é um escárnio".

A coordenadora do MTST Cida Moura, que participava da manifestação, disse ainda não saber as razões para a violência.

Cerca de 500 pessoas participavam da caminhada quando houve o ataque e o protesto se dividiu. Integrantes da marcha se deslocaram para a Delegacia Seccional de Itapecerica, onde um boletim de ocorrência foi registrado. Uma outra parte acompanhou Edilma até o hospital, e um terceiro grupo deu continuidade à caminhada em direção ao prédio da prefeitura (Com Estadão Conteúdo)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos