PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
4 meses

Sem saber de gravidez, mulher dá à luz em banheiro de restaurante no RN

Mulher dá à luz bebê em restaurante do RN - Arquivo Pessoal
Mulher dá à luz bebê em restaurante do RN Imagem: Arquivo Pessoal

Carlos Madeiro

Colaboração para o UOL, em Maceió

16/12/2020 15h55

A auxiliar de cozinha Lidiane Cardoso, 37, pensou que ontem seria mais um dia normal no restaurante onde trabalha, no bairro do Tirol, em Natal (RN). Porém, logo após o almoço, ela se sentiu mal e foi ao banheiro. Ela não sabia, mas estava grávida e acabou dando à luz uma bebê de 3,2 kg no chão do banheiro do estabelecimento.

O parto foi feito pela empresária Lúcia Dantas, acionada às pressas para ajudar no caso. Apesar da mãe não desconfiar que estava grávida, na maternidade os médicos estipularam em 37 semanas de gestação. A bebê se chama Vitória.

Ao UOL, Lúcia contou em detalhes como o caso ocorreu. "Era por volta de 14h30 de ontem quando meu marido gritou por mim. Eu fui e quando eu cheguei lá, ele disse: 'Lidiane passou mal e desmaiou. Vá lá que eu acho que é coisa de mulher, não dá certo eu ir lá, não'", conta.

A empresária lembra que, ao chegar no banheiro, percebeu que Lidiane não estava desmaiada. "Eu perguntei para ela o que estava sentindo, e ela disse que sentia muita dor no quadril. Então peguei e botei álcool perto do nariz para ela ir retornando, e comecei a conversar dizendo que ia chamar o Samu, para tentar mantê-la acordada", explica.

Até então, Lúcia diz que não desconfiava de gravidez. Mas quando ia chamar o Samu, ela foi surpreendida por um grito de Lidiane. "Foi um grito bem alto, e ela disse: 'chega, Dona Lúcia, que está saindo de um negócio aqui'. Na hora eu pensei, na verdade, que seria um aborto, porque eu vi que estava sangrando muito", explica.

Mas bastou um olhar mais detalhado para ela ver uma cabeça de bebê já saindo da mãe. Ela conta que só deu tempo de forrar uma toalha no chão. "Quando vi a cabeça, me acocorei e comecei a pedir: 'pelo amor de Deus, me ajude aqui, é uma criança que está nascendo'. Ela disse que não podia [ser], que não estava grávida. Aí eu disse: 'Se você estava, não sei; mas me ajude que está nascendo uma criança aqui'", revela.

Lúcia disse que o processo foi rápido e, assim que a bebê nasceu, chorou. "Eu vi que ela estava saudável porque na hora em que nasceu começou a chorar. Eu olhei para os bracinhos, as pernas, vi que ela estava respirando. Cobri ela todinha, coloquei em cima da mãe e ela parou de chorar", relata.

Após fazer o parto, ela conta que foi avisar as pessoas que esperavam do lado de fora. Uma técnica de enfermagem que estava em um salão de beleza ao lado veio fazer um atendimento inicial, e percebeu que mãe e filha estavam bem. Em seguida, o Samu chegou e levou ambas para a maternidade, onde finalizaram os procedimentos.

O parto improvisado ocorreu em uma data especial para Lúcia: "Ontem, meu filho estava fazendo 21 anos. Eu, há 21 anos, estava em trabalho de parto. 21 anos depois também estava fazendo um parto. Foi uma coisa surreal, nunca imaginei que iria fazer isso: primeiro porque eu tenho medo de sangue. Eu acho que foi instinto maternal, o instinto de mãe que falou mais alto para poder conseguir fazer aquele parto", afirma.

Lúcia conta que já teve contato após o caso com mãe e filha —que estão internadas na Maternidade Leide Morais, em Natal— e elas estão bem. "Elas vão deixar o hospital ainda hoje. Só sei que até os últimos dias da minha vida eu não vou esquecer disso. Graças a Deus está tudo em paz, mãe e filha estão bem", finaliza.

Cotidiano