PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
5 meses

Empresário é preso suspeito de matar esposa grávida de 6 meses e sogra

Daniele Dutra

Colaboração para o UOL no Rio de Janeiro

16/08/2021 12h29

Um tabelião e empresário de criptomoedas teve a prisão em flagrante convertida em preventiva ontem (15), pela suspeita de ter assassinado a esposa, grávida de seis meses, e a sogra. O crime ocorreu na última sexta-feira (13), na residência do casal, em Cônego, Nova Friburgo (RJ).

Os policiais militares receberam um chamado e, chegando ao local, encontraram Wellington Braga de Mello, sogro do suspeito, que foi baleado na boca. Ele disse aos agentes que seu genro, Ricardo Pinheiro Jucá Vasconcelos, de 43 anos, e suspeito de ser autor dos disparos, estaria "completamento transtornado" dentro de casa.

A sogra do suspeito, Rosemary Gomes de Mello, de 67 anos, foi encontrada morta no primeiro andar, e a esposa e juíza de paz Nahaty Gomes de Mello, de 33 anos, estava no segundo andar, na cama, sem vida e com uma pistola ao lado.

Por decisão do TJRJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro), o suspeito foi encaminhado para o Hospital de Custódia e Tratamento Psiquiátrico Roberto Medeiros, onde será submetido a exames. Se o resultado indicar ausência de doença psiquiátrica, ele deverá ser encaminhado para unidade prisional comum. Ricardo afirmou que estava em um "surto" quando foi preso, o que foi posto em dúvida pelo delegado responsável pelo caso.

sogra - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
A sogra, Rosemary Gomes de Mello, de 67 anos, foi encontrada morta no primeiro andar
Imagem: Arquivo pessoal

Em nota, a Polícia Militar afirma que o Corpo de Bombeiros também foi acionado e socorreu uma vítima, o sogro, que foi encaminhada ao Hospital Municipal Raul Sertã. Ele foi transferido para uma unidade particular. Nem o centro de saúde nem a filha do paciente, Saliha Mello, deram informações sobre o estado de saúde de Wellington. Segundo a família, esclarecimentos seriam passados "no momento certo" e que, agora todos estão resolvendo questões burocráticas.

Segundo o delegado Henrique Paulo Mesquita Pessoa da 151ª DP, que investiga o caso, Ricardo Vasconcelos, teria dito na viatura que teve um surto psiquiátrico: "Isso evidencia uma certa incredulidade, já que quem está em surto psiquiátrico logo após matar a esposa grávida e a sogra não teria tamanha compreensão da situação. Ele foi autuado claramente por feminicídio e na delegacia não demonstrou qualquer surto. Parecia uma pessoa absolutamente normal, consciente e controlada", disse o delegado ao UOL.

A Polícia Civil está acompanhando o estado de saúde do sogro que será ouvido futuramente. O suspeito trabalha como tabelião, é empresário do setor de criptomoedas e não tinha porte de arma. O UOL procurou a defesa de Ricardo, mas não obteve retorno até a conclusão da matéria.

Na audiência de custódia, Ricardo Vasconcelos alegou para a juíza Ariadne Villela Lopes que é portador de algumas doenças, como vitiligo, depressão, ansiedade, crise de pânico e demais transtornos mentais.

Há uma semana, a esposa que estava grávida de uma menina, compartilhou nas redes sociais uma homenagem de dias dos pais: "Meu amor, feliz dia dos pais! Nesses 6 meses do nosso pacotinho eu só tenho amor, gratidão e certeza de que nossa filha tirou a sorte grande em te ter como pai. Nós te amamos".

Na manhã de hoje, Saliha Mello, filha e irmã das vítimas postou um vídeo de agradecimento pelas mensagens de apoio e pediu orações: "Está sendo muito difícil para mim. Cada uma das mensagens que estou recebendo tem feito muita diferença para suportar essa cruz. Peço que quem puder entrar em oração, mentalizar que o melhor seja feito, que a vontade de Deus seja feita na vida do meu pai e que minha irmã, minha sobrinha Zoe e minha mãe encontre paz", desabafou a médica.

Cotidiano