PUBLICIDADE
Topo

Trump diz que "mercados afundariam" caso seja alvo de impeachment

Foto: AFP
Imagem: Foto: AFP

Em Washington

23/08/2018 09h33

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta quinta-feira (23) que se for aberto um julgamento político contra ele, após as acusações do seu ex-advogado de ter violado as leis de financiamento eleitoral, "os mercados (financeiros) afundariam" e o crescimento econômico seria freado.

"Se sou censurado, os mercados [financeiros] afundariam. Acho que todo o mundo ficaria mais pobre", afirmou Trump em entrevista à emissora americana "Fox".

Após a declaração, o presidente fez uma afirmação confusa sobre a criação de empregos e outros progressos econômicos que, segundo ele, aconteceram durante seu mandato e insistiu que os americanos estariam em situação muito pior se Hillary Clinton tivesse vencido as eleições de 2016.

Trump insistiu sobre a boa saúde da economia nos EUA, cujo crescimento no segundo trimestre do ano foi de uma taxa anualizada de 4,1%, o que atribuiu às suas políticas de desregulamento e corte de impostos.

"Não sei como se pode censurar alguém que está fazendo um grande trabalho (...) Seriam vistos números que [vocês] não acreditariam, em retrocesso [se for aberto o julgamento político]", acrescentou Trump.

O presidente dos EUA fez estas declarações depois que seu ex-advogado, Michael Cohen, se declarou culpado na terça-feira para um juiz federal de Nova York de vários crimes e disse que foi o próprio Trump que lhe pediu que pagasse duas mulheres para comprar seu silêncio durante a campanha eleitoral.

Trump reconheceu estes pagamentos, mas negou que procedessem da sua campanha eleitoral, o que constituiria uma violação das leis de financiamento, e destacou que o dinheiro veio do seu bolso.

A revelação de Cohen instigou as especulações sobre a possibilidade de os democratas abrirem um julgamento político contra Trump se retomarem a maioria da Câmara de Representantes após as eleições legislativas de novembro, mas os líderes da oposição evitaram, por enquanto, fazer promessas sobre esse processo de cassação. (Com agências de notícias)