PUBLICIDADE
Topo

Com medo, manifestantes na Nicarágua agora se escondem; brasileira foi deportada do país

Jairo Bonilla dá entrevista em um esconderijo na Nicarágua - Alfredo Zuniga/AP
Jairo Bonilla dá entrevista em um esconderijo na Nicarágua Imagem: Alfredo Zuniga/AP

Do UOL, em São Paulo

27/08/2018 17h11

Os estudantes da Nicarágua que lideraram protestos contra o governo do presidente Daniel Ortega estão assustados e vivem escondidos. Desde o início dos protestos, centenas de pessoas foram mortas e cerca de 320 permanecem presas.

Entre os detidos estava a documentarista brasileira Emilia Mello. De acordo com o secretario-executivo da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), Paulo Abrão, ela foi deportada.

Jairo Bonilla é um dos líderes estudantis que vive em um esconderijo. O jovem de 20 anos, sobreviveu a quatro meses de resistência ao governo de Ortega, mas o movimento estudantil que ele ajuda a liderar agora é largamente secreto.

"Ortega alcançou seu objetivo", disse Bonilla em uma entrevista recente, realizada em um local secreto. "Ele nos fez sentir medo."

Perseguidos nas universidades, o futuro é incerto para os alunos que enfrentaram Ortega. Muitos fugiram do país, outros estão espalhados em locais seguras. Alguns estão se recuperando de ferimentos de bala que sofreram durante a repressão do governo ou lutando contra algum trauma psicológico, enquanto Bonilla e outros líderes estudantis tentam atrair a atenção da comunidade internacional e criar estratégias para manter a pressão no país.

Protesto anti-governo em Granada, na Nicarágua - Alfredo Zuniga/AP - Alfredo Zuniga/AP
Protesto anti-governo em Granada, na Nicarágua
Imagem: Alfredo Zuniga/AP

Bonilla se juntou à revolta contra o governo de Ortega em meados de abril, irritado como muitos de seus colegas de classe pela resposta violenta dada pelo governo aos protestos de aposentados furiosos com os cortes nos benefícios da previdência social. Depois que as marchas rapidamente evoluíram para uma chamada geral para a queda de Ortega, com a participação dos estudantes, Bonilla se ofereceu para representar seus colegas nas conversas mediadas pela Igreja Católica para tentar acabar com a crise.

Esse esforço foi de curta duração. Em um discurso inflamado em julho, Ortega acusou os bispos católicos que organizaram a mediação de serem “golpistas” em busca de sua saída e disseram que não eram qualificados para serem mediadores. As conversas não recomeçaram.

Com o controle das universidades do país e outros bastiões da oposição agora firmemente nas mãos do governo, Ortega, que está no poder desde 2007, prometeu permanecer no cargo até pelo menos 2021, quando termina seu último mandato. Ele chamou aqueles que participaram dos protestos como “terroristas” manipulados por forças externas.

Hoje em dia, Bonilla passa seu tempo em seu esconderijo, tentando se preparar para o dia em que as conversas com o governo possam ser retomadas. Ele lê textos sobre economia política, estuda táticas de negociação e absorve o máximo possível sobre a história da Nicarágua de maneira online. Ele mudou de casa duas vezes desde junho.

Ainda assim, a situação de Bonilla é melhor que a de alguns. Ele ainda está na Nicarágua e consegue sair escondido de vez em quando. Outros estudantes foram trancados por dias em um galpão ou forçados a se esconder no fundo de um poço enquanto as forças do governo procuravam por eles.

Existe agora uma calmaria falsa, cheia de tensão, em Manágua, após a violenta repressão do governo. As barricadas de pedra que os estudantes e outros opositores do governo ergueram no auge dos protestos nas principais rodovias e nos arredores de bairros inteiros agora foram removidas pelas forças do governo. Mas há pouca atividade depois do anoitecer; muitos restaurantes são fechados e as pessoas correm para casa ao anoitecer, temerosos de que os civis armados mascarados trabalhem em coordenação com a polícia que patrulha as ruas da cidade.

Nos momentos em que eles não estão preocupados em serem descobertos ou de onde virá a próxima refeição, muitos dos que estão escondidos ficam desanimados com o futuro.

“Queremos continuar normalmente com nossas vidas”, disse Bonilla.

Presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, e sua mulher e vice-presidente Rosario Murillo - Inti Ocon/AFP - Inti Ocon/AFP
Presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, e sua mulher e vice-presidente Rosario Murillo
Imagem: Inti Ocon/AFP

Entre os que se escondem na capital nicaraguense está um ex-aluno de 20 anos da Universidade nacional que perdeu muito da mobilidade em seu braço e mão direita após ser baleado pelas forças de segurança em 23 de junho enquanto ajudava a tratar estudantes feridos sob fogo.

A bala que o atingiu se alojou atrás da omoplata, exigindo uma cirurgia extensa. Ele ficou hospitalizado por 11 dias e sofreu danos nos nervos, mas os médicos dizem que ele poderia se recuperar com alguns meses de fisioterapia intensiva.

Em vez disso, ele está em uma casa segura com seu irmão de 18 anos, que também está escondido. Ambos se recusaram a ser identificados por medo de serem presos.

O irmão mais novo disse que eles lutam para dormir, ouvindo passar o tráfego e pensando que a qualquer momento poderiam ser descobertos.

“Todos nós que estávamos lá na luta somos conhecidos”, disse ele sobre as forças de segurança.

“Desde o momento em que decidimos nos unir à luta, todos sabíamos que chegaria a hora em que seríamos perseguidos”, disse ele. "E caso a luta não seja vencida e o regime permaneça no lugar, acredito que será basicamente o fim de nossas vidas. Como não poderemos voltar à universidade, não poderemos andar na rua."

Brasileira deportada

A documentarista Emilia Mello passou mais de 30 horas detida pelas autoridades da Nicarágua. Ela foi deportada no domingo (26) em um voo da Avianca e fez escala em El Salvador e na Cidade do México. Ela deve continuar viagem para Nova Iorque, pois também tem nacionalidade norte-americana.

"Ela foi submetida a interrogatório e relatou maus tratos psicológicos", disse so ecretario-executivo da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), Paulo Abrão, à Agência Brasil. A documentarista foi detida no sábado (25) quando se dirigia a uma passeata contra o presidente Daniel Ortega, na cidade de Granada.

A estudante brasileira de medicina Raynéia Gabrielle Lima foi morta a tiros no final de julho. As autoridades nicaraguenses negam perseguição política, assim como o uso da força e da violência. (Com AP e Agência Brasil)