Opinião: O jogo norte-americano de cartas marcadas entre os ricos

Nicholas Kristof

  • Darren Hauck/Reuters

    12.fev.2016 - O senador Bernie Sanders e a ex-secretária de Estado Hillary Clinton cumprimentam a plateia antes de mais um debate entre os pré-candidatos democratas à eleição presidencial dos Estados Unidos, marcada para novembro de 2016

    12.fev.2016 - O senador Bernie Sanders e a ex-secretária de Estado Hillary Clinton cumprimentam a plateia antes de mais um debate entre os pré-candidatos democratas à eleição presidencial dos Estados Unidos, marcada para novembro de 2016

É um tanto bizarro que nesta temporada política estejamos vendo candidatos ricos de ambos os partidos condenando nosso sistema político por representar principalmente os interesses, bem, dos ricos.

Bizarro, talvez, e às vezes um tanto hipócrita, mas também correto. O sistema político norte-americano é manipulado. As cartas são marcadas em prejuízo às pessoas comuns. Essa é a frustração que tem alimentado, de formas diferentes, as campanhas anti-establishment de Donald Trump, Ted Cruz e Bernie Sanders em particular, e que está levando outros candidatos, como Hillary Clinton, a também pegarem suas forquilhas.

"Sim, a economia está manipulada para favorecer aqueles que estão no topo", declarou Hillary no debate democrata da semana passada.

Um vislumbre da injustiça estrutural nos Estados Unidos é este: um garoto rico burro agora tem uma probabilidade muito maior de se formar na faculdade do que um garoto pobre inteligente, segundo Robert Putnam, da Universidade de Harvard.

Outro: os 20 norte-americanos mais ricos, um grupo que caberia confortavelmente dentro de um jato de luxo com destino a uma ilha particular no Caribe, possuem riqueza superior à de metade da população norte-americana mais pobre somada, segundo um levantamento recente do Instituto para o Estudo de Políticas.

Os 100 mais ricos da revista "Forbes" possuem riqueza equivalente à de todos os 42 milhões de afro-americanos somados, diz o levantamento.

"Corretamente, suspeitamos que o sistema esteja manipulado, que nosso governo se tornou movido a moeda e que fomos deixados de lado", escreveram Wendell Potter e Nick Penniman em seu novo livro esclarecedor sobre dinheiro na política, "Nation on the Take" (algo como Nação Comprada, em tradução livre, não lançado no Brasil). Eles pedem por uma "correção de curso profunda", como as realizadas periodicamente pelos Estados Unidos no passado.

Logo, é saudável o fato de os eleitores norte-americanos estarem exigindo mudanças. Mas quando as sociedades enfrentam dor econômica, às vezes elas recorrem a reformas, outras vezes a bodes expiatórios (como os refugiados neste ano). Assim, a pergunta histórica para 2016 é em que direção acabará seguindo a revolta popular entre os eleitores norte-americanos.

Um presidente Trump ou um presidente Cruz ergueria muros e torturaria suspeitos de terrorismo; uma presidente Hillary Clinton ou presidente Sanders aumentaria o salário mínimo e investiria nas crianças sob risco.

Parece-me mais sensato buscar soluções do que bodes expiatórios, mas sensatez com frequência é escassa na política. Após um discurso caracteristicamente brilhante por Adlai Stevenson, o candidato democrata à presidência em 1952 e 1956, um simpatizante teria gritado: "Todo norte-americano pensante votará em você!"

Diz a lenda que Stevenson respondeu: "Isso não basta. Eu preciso da maioria!"

No domínio das soluções, um ponto de partida seria reduzir a influência do dinheiro na política.

A indústria farmacêutica, por exemplo, tem usado seu lobby de peso –ela gastou US$ 272 mil em doações de campanha por membro do Congresso no ano passado e conta com um número maior de lobistas que o número existente de legisladores– para impedir o governo de negociar os preços dos medicamentos para o Medicare (o seguro-saúde público para idosos e inválidos). Isso representa um presente anual de US$ 50 bilhões para os laboratórios farmacêuticos.

O aumento da desigualdade tem raízes complexas e algumas não podem ser facilmente resolvidas. Por exemplo, o empoderamento da mulher somado à tendência de as pessoas se casarem com pessoas semelhantes a elas faz com que os homens de alta renda cada vez mais se casem com mulheres de alta renda, formando famílias de renda superalta.

Igualmente, muitos norte-americanos são ricos em parte por trabalharem arduamente, economizarem de forma constante e investirem com brilhantismo. Isso deve ser celebrado, mas tudo isso ocorre em um campo inclinado que também afeta as rendas e os valores sociais.

Paul Piff, psicólogo social, realizou experimentos no qual partidas de Monopoly (ou Banco Imobiliário) são manipuladas de forma que um jogador comece com mais dinheiro e esteja quase predestinado a vencer. Como foi revelado, o jogador rico passa a mandar nos outros e até mesmo pega mais salgadinhos da tigela comunal.

Neste período eleitoral, muitos norte-americanos sentem que estão vivendo nessa partida manipulada de Monopoly.

Professores de administração e negócios, Michael Norton e Dan Ariely mostraram às pessoas gráficos de distribuição de riqueza da igualitária Suécia e dos altamente desiguais Estados Unidos, perguntando a elas em que tipo de sociedade prefeririam viver, sem dizer que país cada gráfico representava. Cerca de 92% dos norte-americanos escolheram a distribuição da Suécia.

Igualmente, o grande filósofo John Rawls desenvolveu um experimento mental para julgar a justiça de uma sociedade: imagine que você será colocado em uma sociedade, mas sem saber sua posição nela. Você não sabe se será rico ou pobre, inteligente ou burro, negro ou branco, homem ou mulher. Nesse caso, muitos de nós também acabariam optando pela Suécia, em vez de correrem o risco de acabarem no CEP errado nos Estados Unidos de hoje.

Logo, os eleitores norte-americanos estão certos em se sentirem furiosos. Mas o desafio não é apenas diagnosticar o problema, mas também prescrever as soluções certas e conseguir implantá-las neste ambiente político.

Que a insurreição ganhe força, mas seja canalizada não na punição de bodes expiatórios, mas na adoção de reformas que façam o sistema funcionar melhor para os norte-americanos comuns.

Tradutor: George El Khouri Andolfato

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos