Temer defende parlamentarismo a partir de 2018: "não seria despropositado"

Do UOL, em Brasília

  • Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

    2.ago.2017 - presidente Michel Temer faz pronunciamento no Palácio do Planalto, em Brasília, após o plenário da Câmara dos Deputados rejeitar a denúncia por corrupção passiva contra ele, nesta quarta-feira

    2.ago.2017 - presidente Michel Temer faz pronunciamento no Palácio do Planalto, em Brasília, após o plenário da Câmara dos Deputados rejeitar a denúncia por corrupção passiva contra ele, nesta quarta-feira

O presidente Michel Temer (PMDB) defendeu nesta quinta-feira (3) a possibilidade de o Brasil adotar o regime parlamentarista já a partir do ano que vem. Em entrevista por telefone ao jornalista Reynaldo Azevedo, no programa O É da Coisa, da Band News FM, o peemedebista afirmou que estuda propor uma reforma política em comum acordo com o Congresso Nacional e com o TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Ao ser questionado que propostas considerava viáveis para as eleições de 2018, cujas regras precisam ser aprovadas até outubro desse ano para entrarem em vigor no próximo pleito, Temer disse considerar provável a fixação da cláusula de barreira e a eliminação das coligações partidárias. Anteriormente, Azevedo havia sugerido que ele encampasse a adoção do voto distrital misto em 2018 e do parlamentarismo em 2022.

"Agora vou me atrever um pouco aqui. Você falou em parlamentarismo para 2022, eu acho que nós poderíamos pensar, mera hipótese, no parlamentarismo para 2018, né? Eu acho que não seria despropositado", declarou.

O peemedebista destacou que esta é uma tarefa do Legislativo, que atualmente discute mudanças na legislação eleitoral, mas disse que se o governo entrar nessa história, ajuda o Congresso.

"E isto está no nosso horizonte, estamos pensando muito seriamente nisso, em ajudar muitíssimo, e até propor a reforma política, de comum acordo com o Congresso, com o Tribunal Superior Eleitoral que cuida dessa matéria permanentemente. Nós vamos levar adiante uma reformulação político-eleitoral no nosso país".

A entrevista foi a primeira concedida por Temer desde que a Câmara dos Deputados barrou a denúncia criminal contra ele, nesta quarta (2). Questionado sobre o que Reynaldo Azevedo chamou de "sanha regicida" para tirá-lo da Presidência, Temer classificou a iniciativa como "uma coisa kafkiana".

"Você começa um processo, como você disse, de tentativa de retirar o presidente da República sem um motivo sólido", disse, em referência indireta ao livro "O Processo", publicado em 1925 pelo escritor tcheco Franz Kafka, na qual um funcionário de uma instituição financeira é acusado de um crime que ele não sabe qual é.

"Mas é curioso que, ao longo do tempo, o que tem acontecido é exatamente a derrota daqueles que querem ver prosperar a eventual possibilidade do afastamento do presidente da República", completou Temer.

Câmara arquiva denúncia contra Temer

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos