PUBLICIDADE
Topo

Kassab diz que PSD é independente, não integra centrão e nega fisiologismo

Do UOL, em São Paulo

09/06/2020 13h21

Enquanto PSD e o Governo federal indicam uma aproximação, o presidente do partido afasta o rótulo de que faz parte do chamado centrão. Em participação no UOL Entrevista de hoje, Gilberto Kassab afirmou que a sigla é independente, com liberdade para congressistas apoiarem ou não o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

"Gostaria de registrar sempre uma confusão que alguns colegas de vocês [da imprensa] fazem em relação a PSD e centrão. O PSD sempre deixou claro que não se integra ao centrão. Em relação à sua pergunta, o PSD é um partido independente. É um partido que tem, nos seus quadros, pessoas com total liberdade para dar seu voto com suas convicções e visões de Brasil", afirmou o ex-prefeito de São Paulo (2006 a 2013).

"É evidente que temos parlamentares mais distantes e outros próximos de algumas posições do Governo — haja vista o discurso do (senador) Otto Alencar (PSD-BA) ontem, que é o líder do partido e fundador, e se posiciona de uma maneira muito crítica. Isso não quer dizer que todos os senadores tenham posição contrária ao governo", disse.

"O próprio Otto votou a favor do governo em algumas vezes porque era bom para o Brasil. Os parlamentares terão total liberdade para votar contra o Governo quando projetos contrariarem visões. Nada impede que os parlamentares próximos do Governo sugiram nomes. Posso lhe afirmar que somos independentes e que o partido não integra o centrão", acrescentou.

Sobre a possibilidade de "toma lá, dá cá" entre Bolsonaro e partidos do centrão, Kassab elogiou a postura do presidente de ter rechaçado a possibilidade em campanha. Mas diz que adotar a postura agora seria um erro.

"Opresidente acertou em campanha quando disse que não iria fazer 'toma lá dá cá'. Se tiver fazendo, está errando. Com o nosso partido, não tem toma lá, dá cá. Se tiver motivos para o impedimento do presidente da República, o partido não estará contra, porque antes de mais nada está o Brasil", disse.

"Condeno o loteamento de cargos. Espero que o presidente não esteja fazendo isso. Mas com o nosso partido, não está", acrescentou.

"Não há ofertas de cargos"

Diante da independência alegada por Kassab para votações, Kassab assegurou que não há ofertas de troca de cargos pelas posições. E lembrou que, em São Paulo, o partido faz parte da base de apoio do governador João Doria (PSDB).

"Temos o Marco Bertanholi, que foi prefeito de Mogi das Cruzes (SP), que é vice-presidente da Federação das Associações Comercias de São Paulo. Quando o Governo começou a discutir estas questões, o Marco levou junto com o Diego Andrade uma sugestão para que se discutisse alterações nesta empresa, e ele entendia que tinha quadros preparados para contribuir com o Governo Federal. Ele fez muito bem de indicar, eu conheço o presidente que ele indicou, integrou a Prefeitura comigo, chegou a presidir os Correios", afirmou Kassab.

"Outro caso que tem falado: Funasa (Fundação Nacional da Saúde). É público que foi demitido o presidente da Funasa, não quero julgar o mérito, mas foi afastado. O líder e o deputado Diego Andrade pessoalmente procuraram um ministro e sugeriu que existe um grupo de militares na saúde, que tem uma pessoa muito qualificada que eu não conheço, e que ele achava bastante adequado para comandar a Funasa. Eu acredito que, desta maneira, que eu tenha conhecimento, são essas aproximações em termos de parlamentares nossos que colocaram as relações com o Governo", acrescentou.

"O que tem diferenciado o PSD são nossas ações com muita transparência e isoladamente. O partido tem convivência com pautas do centrão, do PT, evidentemente tem, e qualquer que seja essa convergência, é sempre colocado muito às claras", completou.

*Participaram dessa cobertura Bruno Madrid, Emanuel Colombari, Flávio Costa e Talyta Vespa (redação) e Diego Henrique de Carvalho (produção)

Política