PUBLICIDADE
Topo

Política

Esse conteúdo é antigo

Zambelli crê que esquerda vota em Bolsonaro em eventual eleição contra Moro

Moro discursa em casamento de Carla Zambelli - Reprodução/Redes sociais
Moro discursa em casamento de Carla Zambelli Imagem: Reprodução/Redes sociais

Do UOL, em São Paulo

23/06/2020 14h13

A deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP) disse que vê indícios de que o ex-ministro da Justiça Sergio Moro deve concorrer à Presidência em 2022, diante da impossibilidade de ser ministro do STF (Supremo Tribunal Federal).

"Eu achava realmente que a intenção dele era ir para o STF, porque ele tem perfil de ministro. Não consigo imaginar Moro em um palanque pedindo votos, mas acho que ele viu que a vaga para o STF era quase impossível de acontecer. O fato de aceitar ser colunista, dar entrevistas, não sair da esfera pública, me dá indícios de que ele vai concorrer a algum cargo em 2022, possivelmente contra o presidente Bolsonaro", declarou Zambelli à Rádio Jovem Pan.

Questionada sobre um possível segundo turno entre Moro e Bolsonaro em 2022, a deputada avaliou que a esquerda tem possibilidade de apoiar o atual presidente. Entre as justificativas, citou o auxílio emergencial durante a pandemia, a PL do saneamento básico e citou o PT e o MST ao dizer que o povo era manobrável anteriormente, já que, de acordo com Zambelli, o partido chantageava os eleitores com terras em troca de votos.

"O Lula conseguia o voto dessas pessoas porque 9 milhões de famílias eram praticamente chantageadas com terras, assentamentos... Mas sem escritura. Essas famílias agora estão sendo atendidas [na pandemia] pelo Bolsonaro", destacou.

"Eu vejo, sim, uma possibilidade da parcela da população das pessoas que pensam que são de esquerda virem para o Bolsonaro, porque perceberam no presidente uma pessoa preocupada com os mais pobres. As pessoas vão perceber que o Moro é uma figura difícil de ler. Você não sabe quando está feliz, triste, chateado. A população quer ver uma pessoa que você possa sentir, e acho que o Moro é uma pessoa inexpressiva nesse sentido", complementou.

Pedido de desculpas de Moro

Após Moro pedir desculpas por dizer que aceitou ser padrinho de casamento da deputada por "constrangimento", Zambelli disse que Moro é página virada.

"Vejo sinceridade de ter sido mal colocada a palavra constrangimento, porque de fato não houve constrangimento. Quanto ao pedido de desculpas, não cabe a mim desculpar, quem tem que desculpá-lo é Deus. Quando você acha que é suficiente para desculpar alguém, você já se coloca em um nível de superioridade a essa pessoa, que não é o meu caso", ressaltou.

Zambelli disse que o melhor pedido de desculpas seria Moro voltar atrás no que foi dito ao divulgar conversas sobre uma vaga no STF.

"Ele acabou me expondo de tal maneira que estou com pelo menos três inquéritos criminais no STF e cinco pedidos de cassação na Câmara dos Deputados. Ele expôs um print de maneira seletiva, com um pedaço da conversa que ele sabe que eu não estava querendo comprá-lo", disse a deputada.

"Ele sabe que o intuito não era vender uma vaga, porque eu não tinha esse poder. Talvez o melhor pedido de desculpas seja ele ser testemunha de defesa em todos esses casos que eu posso ser presa, cassada. O termo desculpa é quando você está arrependido de algo, e eu não o vejo com esse arrependimento", finalizou.

Política