Mitos e verdades

Informações sobre o álbums
  • editoria:
  • galeria:
  • link: http://noticias.uol.com.br/saude/album/2013/10/29/especialistas-esclarecem-mitos-e-verdades-sobre-o-cancer-de-mama.htm
  • totalImagens: 17
  • fotoInicial: 12
  • imagePath:
  • baixaResolucao: 0
  • ordem: ASC
  • legendaPos:
  • timestamp: 20131029164838
    • Saúde [11180]; Câncer [11573]; Câncer de Mama [12400]; Mitos e Verdades [61562];
Fotos

Pessoas obesas são mais propensas a ter câncer de mama. VERDADE - O excesso de peso é sim um fator de risco, porque o tecido gorduroso aumenta os níveis de estrogênio no corpo. "Esse hormônio 'alimenta' o tumor, e quando ele é produzido em excesso o risco de desenvolver um câncer é maior", explica Wesley Pereira de Andrade, cirurgião oncologista e mastologista do A.C.Camargo Cancer Center Arte UOL/Paula Giolito/Folhapress Mais

Silicone aumenta o risco de câncer de mama. MITO - De acordo com o Inca, não existem evidências científicas de que o silicone cause o câncer de mama ou seja um fator de risco para o desenvolvimento da doença. O que acontece é a cirurgia pode deixar pequenas cicatrizes que dificultem a visualização de tumores bem pequenos Arte UOL/AFP Mais

Consumo exagerado de bebidas alcoólicas pode influenciar no desenvolvimento do câncer de mama. VERDADE - Exagerar frequentemente ou consumir cronicamente bebidas alcoólicas são fatores de risco para o desenvolvimento do câncer de mama. "O etilismo leva a uma alteração na função hepática e aumenta a circulação dos hormônios femininos, inclusive em homens, aumentando a chance de se desenvolver a doença", alerta Sérgio Masili, mastologista do Instituto do Câncer de São Paulo e da Clínica Ginecológica da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP) Arte UOL/Patricia Stavis/Folha Imagem Mais

Suplementação de vitamina D diminui o risco de tumores. INCONCLUSIVO - "Na verdade ainda não existem evidências científicas que comprovem que a suplementação de vitamina D diminua o risco de se desenvolver câncer de mama", diz Wesley Pereira de Andrade, cirurgião oncologista e mastologista do A.C.Camargo Cancer Center. O real impacto da vitamina D no aparecimento do câncer de mama é desconhecido, pois os principais estudos têm grandes limitações Arte UOL/Thinkstock Mais

Amamentar protege os seios contra o câncer de mama. PARCIALMENTE VERDADE - O que acontece na verdade é que quando a mulher está amamentando sua produção hormonal diminui. Ficando menos exposta aos hormônios, o risco de desenvolver câncer de mama também diminui. "Realmente há uma diminuição de incidência de câncer de mama em mulheres que amamentaram, especialmente quando amamentam por um tempo maior. No entanto é preciso alertar que isso não torna a mulher imune à doença", aponta Sérgio Masili, mastologista do Instituto do Câncer de São Paulo e da Clínica Ginecológica da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP) Arte UOL/Thinkstock Mais

Praticar exercícios físicos regularmente previne a doença. VERDADE - Na verdade o que acontece é que os exercícios físicos são muito eficazes no controle do peso, diminuindo a gordura corporal e, desta forma, diminuindo a produção de hormônio e o risco de câncer. "O sobrepeso aumenta risco de câncer de mama, então tudo o que se fizer para combater isso vai ter uma vantagem na prevenção da doença. Mas isso deve estar associado a uma dieta rica, com redução de gordura, e também à perda de peso", explica Sérgio Masili, mastologista do Instituto do Câncer de São Paulo e da Clínica Ginecológica da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP) Arte UOL/Getty Images Mais

Dor nas mamas é sinal de câncer. MITO - O principal sintoma é o nódulo (caroço) que aparece nas mamas, que pode ou não ser acompanhado de dor. Além disso, podem surgir alterações na pele que recobre a mama, como abaulamentos ou retrações, inclusive no mamilo, ou aspecto enrugado semelhante à casca de laranja, e até mesmo secreção no mamilo. Mas, na maioria dos casos, a dor nas mamas é apenas sinal de alterações benignas causadas pelas oscilações hormonais Arte UOL/Thinkstock Mais

Terapia de reposição hormonal aumenta o risco de câncer de mama. VERDADE - A terapia de reposição hormonal aumenta os níveis de hormônio no organismo e, consequentemente, pode aumentar o risco do câncer - ainda mais quando é feita por tempo prolongado (maior que cinco anos). "Ainda hoje este é um fator de risco, e é necessário que as mulheres que fazem esse tratamento tenham um acompanhamento maior para monitorar esse risco", aponta Wesley Pereira de Andrade, cirurgião oncologista e mastologista do A.C.Camargo Cancer Center Arte UOL/Thinkstock Mais

Desodorantes e antitranspirantes podem causar a doença. MITO - "O uso de cosméticos nas mamas ou nas axiIas não interfere no aparecimento da doença", afirma Sérgio Masili, mastologista do Instituto do Câncer de São Paulo e da Clínica Ginecológica da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP). No caso dos desodorantes e antitranspirantes o mito se espalhou devido à alta incidência de câncer de mama nessa região, mas isso acontece devido a maior concentração de tecido glandular desse local Arte UOL/Thinkstock Mais

Homens não têm câncer de mama. MITO - Apesar se ser mais raro, o câncer de mama também pode afetar os homens. Nos homens, além de fatores genéticos e hormonais, o abuso de bebidas alcóolicas e o tabagismo são os principais fatores de risco para os homens. Além disso, o câncer de mama masculino tem uma complicação: porque muitas pessoas acreditam que a doença é exclusivamente feminina, o diagnóstico é feito tardiamente, quando a doença já está avançada e o tratamento é mais complicado Arte UOL/Thinkstock Mais

Quem menstrua muito cedo tem maior probabilidade de desenvolver a doença. VERDADE - O risco existe porque essas mulheres menstruam mais vezes ao longo da vida, ficando mais expostas aos hormônios sexuais femininos (estrógeno). "Quanto mais tempo a mulher menstrua, mais tempo a mama está recebendo hormônios e maior é o risco do aparecimento do câncer", afirma Wesley Pereira de Andrade, cirurgião oncologista e mastologista do A.C.Camargo Cancer Center Arte UOL/Thinkstock Mais

Quem já teve câncer de mama uma vez nunca mais terá a doença. MITO - É comum as pessoas acreditarem que quem teve câncer uma vez nunca mais terá a doença na vida. Infelizmente, isso não é verdade. "Sempre existe uma chance de ter um novo câncer de mama ou ainda um câncer em outro órgão", explica Sérgio Masili, mastologista do Instituto do Câncer de São Paulo e da Clínica Ginecológica da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP) Arte UOL/Thinkstock Mais

Histórico na família aumenta muito o risco de câncer de mama. PARCIALMENTE VERDADE - Quando se tem histórico de câncer de mama na família, ainda mais em parentes próximos como mãe ou irmã, as chances de se desenvolver a doença é muito maior, porém isso acontece em uma parcela muito pequena da população. "A maior parte dos casos de câncer de mama não tem componente hereditário nenhum, acontecendo por simples mutação genética. Apenas uma minoria - cerca de 8% - vai carregar essa herança", afirma Sérgio Masili, mastologista do Instituto do Câncer de São Paulo e da Clínica Ginecológica da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP) Arte UOL/Thinkstock Mais

Quem usa anticoncepcional tem mais risco de ter a doença. PARCIALMENTE VERDADE - Na verdade, ainda não existem estudos grandes e confiáveis que apontem com segurança qual o risco do uso de anticoncepcionais modernos (de baixa dosagem) para o desenvolvimento do câncer de mama. "Os estudos antigos, baseados no uso de pílulas anticoncepcionais de altas dosagens de hormônios demonstraram um risco ligeiramente maior de desenvolver câncer de mama quando comparado a mulheres que nunca usaram. Esse risco parece voltar ao normal, ao longo do tempo após a suspensão do anticoncepcional. As mulheres que pararam de usar contraceptivos orais por mais de 10 anos não parecem ter qualquer aumento do risco de câncer de mama. Mas hoje essas dosagens são muito baixas, reduzindo bastante o risco de desenvolvimento da doença", explica Wesley Pereira de Andrade, cirurgião oncologista e mastologista do A.C.Camargo Cancer Center Arte UOL/Thinkstock Mais

Fumar favorece o aparecimento do câncer de mama. VERDADE - Já foi comprovado através de diversos estudos que o cigarro possui substâncias cancerígenas, sendo fator de risco não apenas para o câncer de mama, mas para vários outros tipos da doença. "O tabagismo pode interferir na mutação genética, o que favorece o aparecimento do câncer de mama, sendo um fator de risco importante especialmente para o câncer de mama masculino", aponta Sérgio Masili, mastologista do Instituto do Câncer de São Paulo e da Clínica Ginecológica da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP) Arte UOL/Getty Images Mais

Fatores emocionais podem deflagrar a doença. MITO - Apesar de muitas pessoas acreditarem que sentimentos negativos possam influenciar no aparecimento do câncer de mama, e até mesmo de outros cânceres, isso não acontece. "Não existe nenhum estudo, nenhuma evidência científica até hoje que comprove essa relação", afirma Wesley Pereira de Andrade, cirurgião oncologista e mastologista do A.C.Camargo Cancer Center Arte UOL/Shutterstock Mais

Ser mãe depois dos 30 aumenta chance de desenvolver câncer de mama. VERDADE - Isso porque se a mulher engravida mais tarde, significa que ela menstruou mais vezes ao longo da vida e, assim, recebeu mais hormônios estrogênio e progesterona, que estimulam as células mamárias a se reproduzir, podendo causar câncer. "Quando a mulher está grávida e mesmo durante a amamentação, ela produz menos desses hormônios, ficando menos exposta a eles. Isso significa que o risco diminui consideravelmente, mas não que ele não exista", explica Wesley Pereira de Andrade, cirurgião oncologista e mastologista do A.C.Camargo Cancer Center Arte UOL/Shutterstock Mais

Especialistas esclarecem mitos e verdades sobre o câncer de mama

Mais álbuns de Ciência e Saúde x

Veja mais: Outubro Rosa colore cidades e conscientiza sobre câncer de mama

ÚLTIMOS ÁLBUNS DE UOL SAÚDE

UOL Cursos Online

Todos os cursos