Autoridade europeia alimentar diz é improvável que glifosato seja cancerígeno

Em Bruxelas

  • Shutterstock

A Autoridade Europeia de Segurança Alimentar (EFSA) afirmou nesta quinta-feira (12) em um relatório, que é improvável que o glifosato, a substância mais utilizada como pesticida no Brasil, represente um perigo cancerígeno para o ser humano.

O relatório da EFSA servirá como guia para a Comissão Europeia que deve decidir se conserva ou não o glifosato, o herbicida mais produzido no mundo, na lista da União Europeia de substâncias ativas autorizadas.

Também servirá aos Estados membros no momento de reavaliar a segurança dos pesticidas que contêm glifosato.

A decisão contradiz a anunciada em março pela agência de combate ao câncer da Organização Mundial da Saúde (OMS), que considerou como cancerígeno "possível" ou "provável" cinco pesticidas, entre eles o glifosato.

O painel da EFSA e de especialistas dos órgãos de avaliação de riscos dos Estados membros estabeleceu uma dose máxima de referência para o glifosato, que não deve superar 0,5 mg por quilo de peso corporal.

"Esta é a primeira vez que tal exposição se aplica a esta substância", destacou a EFSA, que utilizará os "novos valores toxicológicos" quando reexaminar com os Estados membros em 2016 os limites máximos de resíduos nos alimentos pelo glifosato.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos