Contato maior com vírus pode ampliar problemas de saúde

São Paulo - "Há ainda muitos enigmas a serem decifrados", afirma o professor de infectologia da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP), Benedito Antonio Lopes da Fonseca, sobre a microcefalia relacionada a infecção vertical pelo zika. Pesquisadores e médicos começaram a identificar, nos últimos dois meses, que, além da microcefalia, uma parte de bebês apresenta também outros problemas de saúde: alterações visuais, nas articulações, problemas de audição e, a mais nova suspeita, disfunções cardíacas.

A diretora do Instituto de Pesquisa Professor Joaquim Amorim Neto, Adriana Melo, afirma que algumas crianças, além de perímetro cefálico menor que 32 centímetros, apresentam alterações severas no cérebro. "Em alguns pacientes, o quadro é muito mais grave do que a microcefalia que conhecíamos até então."

A ligação entre essas manifestações e a infecção por zika ainda precisa ser melhor comprovada. A maior suspeita é que o feto seria infectado ainda nos primeiros três meses de gestação e, quanto maior a intensidade da doença na mãe e maior o contato do bebê com o vírus, mais graves serão os problemas apresentados. "Essa é uma hipótese", ressalta Fonseca. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Lígia Formenti

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos