Topo

Bebidas diet aumentam risco de depressão e café diminui, segundo estudo

O consumo de refrigerantes, em especial os diet, foi associado a um risco maior de depressão - Getty Images
O consumo de refrigerantes, em especial os diet, foi associado a um risco maior de depressão Imagem: Getty Images

Do UOL

Em São Paulo

09/01/2013 07h00

Uma pesquisa sugere que adultos que consomem bebidas açucaradas ou diet tem um risco maior de ter depressão. Já quem tem o hábito de tomar café puro apresenta um risco ligeiramente mais baixo de desenvolver a doença.

Os resultados serão apresentados na 65ª Reunião Anual da Academia Americana de Neurologia, programada para o dia 16 de março.

O estudo envolveu 263.925 pessoas com idades entre 50 e 71 anos. Os pesquisadores, coordenados por Honglei Chen, dos Institutos Nacionais de Saúde, dos EUA, avaliaram o consumo de bebidas como chá, refrigerante, café e suco de fruta adoçado pelos participantes no período de 1995 a 1996.

Cerca de dez anos depois, a equipe perguntou aos participantes se eles tinham sido diagnosticados com depressão a partir do ano 2000. Um total de 11.311 diagnósticos da doença foram relatados.

Pessoas que bebiam mais de quatro latas ou copos de refrigerante por dia tiveram 30% mais risco de ter depressão em relação a quem não tinha o hábito de consumir a bebida.

Aqueles que costumavam beber quatro latas de suco de fruta adoçado por dia tiveram 38% mais probabilidade de ter depressão que os que não consumia esse tipo de bebida.

De acordo com os pesquisadores, o risco foi maior para quem consumia refrigerantes, sucos e chás diet.

O estudo ainda concluiu que pessoas que bebem quatro xícaras de café por dia têm 10% menos propensão à doença em relação a quem não consome a bebida.

Segundo Chen, diminuir a quantidade ou cortar as bebidas açucaradas ou diet do cardápio, ou ainda substitui-las por café sem açúcar, pode ajudar a reduzir o risco de depressão.

"Mais pesquisas são necessárias para confirmar esses resultados, e as pessoas com depressão devem continuar a tomar medicamentos prescritos por seus médicos", alertou o médico. 

Mais Notícias