Topo

Protesto contra o Programa Mais Médicos fecha parte da Avenida Paulista

Daniel Mello

Repórter da Agência Brasil

16/07/2013 19h17

Médicos que participam de manifestação na região central da cidade fecharam a Avenida Paulista, no sentido Rua da Consolação. Eles protestam contra o Programa Mais Médicos, lançado na semana passada pelo governo federal.  

Antes de chegarem à Paulista, os médicos fecharam a Avenida Brigadeiro Luiz Antonio. Os manifestantes saíram do início da Rua da Consolação, onde fica a sede do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp), entidade que convocou o ato.

Inicialmente, os organizadores da marcha pretendiam encerram o ato no Largo São Francisco. Mas, durante o trajeto, a maior parte dos manifestantes preferiu seguir em direção à Avenida Paulista. A direção do Cremesp queria evitar o bloqueio da Paulista porque muito hospitais ficam na região.

Entenda a proposta do governo

  • Arte/UOL

    Governo quer atrair médicos para as periferias e interior do país e adiciona dois anos aos cursos de medicina


Entre as medidas do Programa Mais Médicos criticadas pelos manifestantes estão a criação do segundo ciclo do curso de medicina. Os alunos que entrarem no curso a partir de 2015 terão que atuar por dois anos no Sistema Único de Saúde (SUS) para receber o diploma. Outra ação prevista no programa é a contratação de médicos estrangeiros para trabalhar na rede pública nas periferias das cidades e no interior do país.

O presidente do Cremesp, Renato Azevedo Júnior, criticou o programa e disse que o problema do SUS é a falta de investimentos. “A falta de médicos é uma consequência do descaso do governo federal. É preciso acabar com a corrupção na saúde”, disse, ao acrescentar  que os médicos não têm interesse na carreira pública devido à falta de condições de trabalho oferecida nos hospitais.

Para o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, a criação do segundo ciclo do curso de medicina vai ajudar os médicos formados no Brasil a ter uma visão mais humanista e a não depender tanto de "máquinas e equipamentos" para atender aos pacientes. Segundo ele, os médicos estrangeiros não vão tirar empregos dos brasileiros.

 

Notícias