Cidade dos EUA diz ter registrado transmissão sexual de zika

Do UOL, em São Paulo

  • Andre Penner/AP

    Até agora, tinha-se a suspeita da transmissão sexual, mas não sua confirmação

    Até agora, tinha-se a suspeita da transmissão sexual, mas não sua confirmação

O serviço de saúde de Dallas, no Estado do Texas, nos Estados Unidos, relatou o primeiro caso local de transmissão do vírus no país. E, segundo o órgão, a transmissão foi por relação sexual com uma pessoa contaminada que contraiu o vírus em viagem para a Venezuela. Já havia casos suspeitos da transmissão por via sexual, mas este seria o primeiro confirmado.

Em comunicado, o Dallas County Health and Human Service (DCHHS, o serviço de saúde de Dallas) disse primeiramente ter recebido confirmação do CDC (Centro de Controle de Doenças dos EUA) de que o zika vírus foi contraído por meio de transmissão sexual. Depois, pelo Twitter, o serviço afirmou que o CDC realizou e confirmou o teste para zika, mas que a investigação do modo de transmissão foi feita pelo próprio DCHHS - o paciente não realizou viagem a uma área de contágio, segundo o órgão. 

O CDC não se pronunciou oficialmente e não atendeu aos telefonemas da reportagem. Por segredo médico e privacidade, o DCHHS não fornece informações adicionais. Na região, havia seis casos confirmados de Zika relacionados com viagens, todos entre moradores do condado de Harris, onde Houston está localizada, segundo o Departamento de Serviços de Saúde do Texas.

"Agora que nós sabemos que o zika vírus pode ser transmitido pelo sexo, aumenta nossa campanha de prevenção para educar o público a se proteger e aos outros", disse Zachary Thompson, diretora do DCHHS. "Depois da abstinência, camisinha é a melhor forma de prevenção contra transmissões sexuais de infecções", afirmou. 

Até agora, a única forma de contágio oficial do vírus é pela picada do mosquito Aedes aegypti. O vírus já foi encontrado no leite materno e há a suposição da transmissão pelo sangue, mas ainda em estudo.

Primeiras suspeitas

Em 2013, durante um surto de zika na Polinésia Francesa, o vírus foi detectado no sêmen de um homem de 44 anos. Neste caso, não houve a comprovação de infecção de uma segunda pessoa pela via sexual, mas, sim, da contaminação do sêmen pelo chamado vírus replicante, ou seja, capaz de gerar a propagação da doença. "Nossas descobertas apoiam a hipótese de que o Zika pode ser transmitido por via sexual", conclui artigo de fevereiro de 2015, disponível no site do Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês).

Um segundo caso foi o do cientista americano Brian Foy, em 2008. Ele havia visitado uma região do Senegal afetada por zika e, ao retornar para casa, no Colorado, Estados Unidos, teria infectado sua esposa durante uma relação sexual um dia após seu retorno. Como o mosquito Aedes aegypti não circula na região, a transmissão sexual seria a única explicação plausível.

Órgãos recomendam camisinha

O Public Health England (Saúde Pública Inglaterra) recomendou que homens que estiveram em locais com registros da doença usem camisinha por 28 dias se sua parceira estiver grávida ou tentando engravidar. Já o homem que teve sintomas de zika ou o vírus confirmado em exames laboratoriais deve evitar sexo sem proteção por seis meses.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos