Aumentam casos de resistência do vírus HIV a remédios, alerta OMS

Do UOL, em São Paulo

  • NIAID/Reuters

A OMS (Organização Mundial da Saúde) divulgou nesta quinta-feira (20) um relatório em que faz um alerta para o número crescente de resistência do vírus HIV aos medicamentos disponíveis no mercado. Tal resistência, segundo a organização, se desenvolve quando as pessoas não aderem a um plano de tratamento prescrito --muitas vezes por não ter acesso consistente a ele.

O relatório, baseado em pesquisas nacionais realizadas em diferentes países, aponta que em 6 dos 11 países pesquisados na África, na Ásia e na América Latina, mais de 10% das pessoas que iniciaram o tratamento antirretroviral possuíam uma cepa do vírus resistente a alguma das drogas anti-HIV mais comumente utilizadas. São eles: Guatemala, Nicarágua Namíbia, Uganda, Zimbábue e Argentina.

No Brasil, foram reportados em pesquisas 1.391 casos em que foram registrados resistência do vírus a medicamentos em novos pacientes. 

Este número, porém, representa menos de 10% dos tratamentos iniciados recentemente no território brasileiro –outros países como México, Colômbia, Camarões e Myanmar também registraram casos em um índice abaixo de 10% do total dos novos tratamentos.

Para a OMS, o crescimento dessas taxas tem o potencial para minar o progresso internacional no tratamento e na prevenção da doença. A organização recomenda, ainda, que, uma vez que o índice de 10% seja atingido, os países revisem, com urgência, seus programas de tratamento. 

"A resistência aos medicamentos é um desafio crescente para a saúde global e o desenvolvimento sustentável", disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS. "Precisamos abordar de forma proativa os níveis crescentes de resistência aos medicamentos contra o HIV, se quisermos atingir o objetivo global de acabar com a AIDS até 2030".

Três tipos de resistência foram classificados pela OMS: resistência adquirida quando mutações ocorrem em indivíduos que já recebem os medicamentos; em pessoas que não tem histórico de ingestão de medicamentos do HIV, tendo sido infectadas por versões mais resistentes; em pacientes com exposição prévia aos remédios; em pessoas que receberam Profilaxia Pré-Exposição; e, por fim, em pessoas que reiniciaram o tratamento após interrupção.

O aumento das tendências da resistência aos medicamentos contra o HIV, para a OMS, pode levar a mais infecções e óbitos. A organização estima que possa haver, por conta desta maior resistência aos medicamentos, um aumento de 135 mil mortes e 105 mil novas infecções nos próximos cinco anos, no mundo, se nenhuma ação for tomada. Além disso, os custos globais de tratamento poderiam aumentar em US$ 650 milhões nesse período.

Brasil registra aumento de casos de HIV

Também nesta quinta-feira (20), foram divulgados pela Unaids, programa da ONU (Organização das Nações Unidas) que tem por objetivo criar soluções e ajudar nações no combate à Aids, dados que indicam o aumento do número absoluto de novos casos de Aids no Brasil, em tendência contrária ao que se registra na média mundial.

Entre os anos de 2010 e 2016, houve um aumento de 3% de novos casos no país, passando de 47 mil para 48 mil --a taxa global, por outro lado, apresentou queda de 11%.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos