Cirurgião confessa ter marcado iniciais de seu nome no fígado de pacientes

Do UOL

  • IStock

Um cirurgião britânico reconheceu diante de um tribunal ter deixado marcas no fígado de dois pacientes com as iniciais de seu nome durante operações de transplante.

Os casos, que ocorreram em fevereiro e agosto de 2013 no hospital Queen Elizabeth, em Birmingham (Reino Unido), foram julgados nesta quarta-feira (13).

Simon Bramhall, 53, usou um equipamento elétrico que queima veias para registrar suas iniciais nos fígados. As marcas não causam danos aos pacientes e, geralmente, desaparecem por conta própria. Mas o médico acabou sendo descoberto quando um colega, durante outra operação, encontrou as letras "SB" no órgão de um dos pacientes. 

Bramhall, que trabalhou durante 12 anos no hospital, foi suspenso em 2013. Em maio de 2014, ele apresentou sua demissão, após um processo disciplinar.

O médico se declarou culpado de duas acusações de agressão, mas rejeitou a acusação de ter causado lesões a seus pacientes. 

O procurador Tony Badenoch disse que este é um caso "sem precedentes legais" e classificou a postura de Bramhall como abuso por se tratar de "uma aplicação de força ilegal a um paciente anestesiado."

"Suas ações marcando o fígado desses pacientes, de maneira totalmente desnecessária, foram atos deliberados e conscientes", declarou a promotora Elizabeth Reid ao jornal "El País". "Esses atos foram errados, não só do ponto de vista ético, mas também de um crime, um abuso da confiança que seus pacientes tinham nele".

O veredito da ação será emitido no dia 12 de janeiro. 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos