Topo

Tecnologia

Redes sociais


Como as fake news e os chans podem atrapalhar o censo 2020 dos EUA

Carlos Barria/Reuters
Imigrantes chegam até a cidade de Nuevo Laredo, na fronteira com os EUA Imagem: Carlos Barria/Reuters

Nick Brown

2019-03-27T13:38:25

27/03/2019 13h38

O Departamento do Censo dos Estados Unidos pediu aos gigantes da tecnologia Google, Facebook e Twitter que ajudem a evitar as fake news que a divisão teme que possam prejudicar levantamento de 2020, de acordo com autoridades do Censo e várias fontes informadas sobre o assunto.

O pedido, cujos detalhes não foram divulgados anteriormente, segue os alertas de especialistas em cibersegurança e dados de 2016, que dizia que grupos de direita e agentes estrangeiros podem pegar emprestado a tática das fake news da última eleição presidencial para dissuadir os imigrantes de participarem na contagem do próximo ano, disseram autoridades e fontes à Reuters.

As fontes, que pediram para não serem identificadas, disseram que as evidências incluíam cada vez mais conversas em plataformas como "4chan" por redes domésticas e estrangeiras interessadas em minar a pesquisa. O censo, dizem eles, é um alvo poderoso porque molda os distritos eleitorais dos EUA e a alocação de mais de 800 bilhões de dólares por ano em gastos federais.

Ron Jarmin, vice-diretor do Departamento de Censo, confirmou que estava antecipando campanhas de desinformação e pediu a ajuda de grandes empresas de tecnologia para se defender da ameaça.

"Esperamos que (o censo) seja um alvo para esse tipo de iniciativa em 2020", disse ele.

Até agora, o departamento obteve compromissos iniciais do Google, do Twitter e do Facebook para ajudar a anular as campanhas de desinformação online, de acordo com documentos analisados pela Reuters, que resumem algumas dessas reuniões.