Uma escola para orangotangos na selva de Bornéu

Ketapang, Indonésia, 31 Ago 2016 (AFP) - Alheio aos gritos dos seus colegas de turma, um filhote de orangotango se balança numa árvore de um abrigo da selva de Bornéu, onde os macacos recebem aulas para reaprenderem a viver em seu hábitat natural.

Otan, um orangotango de três anos, aprende a se virar sozinho desde que foi encontrado, errante e em péssimo estado, em uma plantação de palmeiras. Tinha inalado fumaça procedente dos incêndios gigantescos que no ano passado destruíram extensas zonas de floresta tropical em Kalimantan, província indonésia da ilha de Bornéu.

No refúgio internacional para animais (RIA), Otan e outros orangotangos órfãos aprendem a fazer ninhos, a buscar comida e a evitar os predadores. Devem se preparar para regressar a uma selva onde estes grandes macacos da Ásia estão mais ameaçados do que nunca.

Em julho, a União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN) declarou os orangotangos em perigo crítico, ou seja, a última etapa antes da extinção de uma espécie em estado selvagem. Ainda restam pouco mais de 100.000 exemplares em Bornéu. Em 1970 eram quase 300.000, segundo a UICN.

Estes primatas de pelo ruivo poderiam desaparecer completamente de Bornéu nos próximos 50 anos, devido ao desmatamento e aos incêndios que afetam a floresta tropical, advertem os especialistas.

Situação desesperadora"É de cortar o coração", diz Ayu Budi, veterinária que dirige a clínica veterinária do abrigo da ONG RIA. "Quando você olha para eles, é muito triste. Deveriam estar com suas mães na natureza e viverem felizes, mas estão aqui".

Dos 101 orangotangos sob os cuidados de Budi, 16 são filhotes. Todos escaparam por pouco da morte e foram alimentados com mamadeiras até se recuperarem em uma parte da floresta protegida, nos arredores da cidade de Ketapang.

Budi e seus colegas permanecem otimistas, ensinando orangotangos como Jack - uma criança de sete anos travessa e em busca de atenção - a encontrarem alimentos com amendoins e mel escondidos em bolas de plástico no alto das árvores.

Nem todos tiveram essa sorte. Milhares morreram nos últimos 40 anos em Bornéu, nas mãos de caçadores, queimados por incêndios florestais ou de fome, em um habitat que se encolhe cada vez mais.

"As pessoas que trabalham em Bornéu já sabem há muito tempo que a situação dos orangotangos é bastante desesperada", lamenta à AFP Chris Wiggs, conselheiro de conservação do refúgio.

O número de macacos no abrigo se multiplicou desde 2009, à medida que estes animais foram perdendo território para as plantações de coqueiros, celulose e borracha.

O centro de quarentena do refúgio estava superpovoado de orangotangos desesperados como Vijay e Moli, dois jovens encontrados sem suas mães perto de uma terra queimada.

Eles são vítimas dos incêndios, um flagelo que atinge anualmente a parte indonésia de Bornéu - uma ilha compartilhada com Malásia e Brunei - e que representa uma grande ameaça para o futuro da espécie.

Corrigir errosCamponeses e companhias agrícolas botam fogo intencionalmente em terrenos na floresta para limpá-los rapidamente para novas plantações, apesar dessa prática ser proibida.

As chamas muitas vezes ficam fora de controle, como no ano passado, quando queimaram uma superfície recorde de cerca de 2,6 milhões de hectares de floresta tropical. A fumaça tóxica resultante deixou o céu da parte indonésia de Bornéu amarelo e se espalhou para países vizinhos como Malásia e Cingapura.

Sob pressão internacional, Jacarta prometeu ação.

Este mês, uma empresa indonésia ligada aos incêndios de 2015 foi obrigada a pagar uma multa de US$ 80 milhões - valor recorde para atividades de corte de árvores e queima de terras, disse o porta-voz do ministro do Meio Ambiente.

O presidente indonésio, Joko Widodo, propôs em abril a suspensão da concessão de novas terras para plantações de óleo de palma, pedindo aos produtores que usem sementes melhoradas para aumentar os seus rendimentos.

"Precisamos restaurar e reabilitar as nossas turfeiras (terrenos com material combustível que alimenta o fogo), e corrigir os erros do passado", disse à AFP Sustyo Iriono, chefe da agência de conservação do governo no oeste de Kalimantan.

"Todos temos bastante medo de que isso aconteça de novo, e nos perguntamos se as espécies poderão suportar um golpe como este", afirma Wiggs, se referindo ao incêndio do ano passado.

Budi sonha com o dia em que os orangotangos poderão viver em liberdade na selva. "Ainda há uma possibilidade, mas se a floresta desaparece, vai ser difícil".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos