PUBLICIDADE
Topo

Começa funeral de rei da Tailândia, falecido há um ano

Urna real é transportada durante cortejo fúnebre do rei Bhumibol Adulyadej nesta 5ª - Roberto Schmidt/AFP Photo
Urna real é transportada durante cortejo fúnebre do rei Bhumibol Adulyadej nesta 5ª Imagem: Roberto Schmidt/AFP Photo

Em Bangcoc

26/10/2017 01h21

O funeral do rei da Tailândia, Bhumibol Adulyadej, começou nesta quinta-feira (26) com um cortejo fúnebre que reúne mais de 200 mil pessoas nas ruas de Bangcoc.

O monarca faleceu aos 88 anos no dia 13 de outubro de 2016, e, desde então, era conservado no Palácio, para ser venerado segundo o ritual budista.

A cerimônia, que se estenderá durante todo o dia, começou ao amanhecer, com a chegada em um Rolls Royce com o filho e herdeiro, rei Maha Vajiralongkorn, vestido com uniforme militar.

26.out.2017 - Atual rei da Tailândia, Maha Vajiralongkorn, participa do funeral do rei Bhumibol Adulyadej, em Bancoc, nesta quinta-feira - Kittinun Rodsupan/AP Photo - Kittinun Rodsupan/AP Photo
Atual rei da Tailândia, Maha Vajiralongkorn, participa do funeral do pai, em Bancoc
Imagem: Kittinun Rodsupan/AP Photo
Um grupo de monges budistas entoou orações, na presença do novo rei.

Ainda nesta quinta-feira, o corpo de Bhumibol será levado do Palácio para um monumental crematório construído especialmente para a ocasião.

O crematório, construído pelos melhores artesãos do país, representa o monte Meru, centro do universo segundo a tradição budista.

A espetacular estrutura dourada tem 50 metros de altura e custou 90 milhões de dólares.

A cerimônia terá a presença de representantes das casas reais de todo o mundo, incluindo as rainhas Máxima da Holanda e Sofia da Espanha.

O chefe da junta militar tailandesa, general Prayut Chan-O-Cha, também estará presente. O militar foi o principal mentor do golpe de estado de 2014, quando a saúde de Bhumibol já estava debilitada.

Durante grande parte dos 70 anos do reinado de Bhumibol, o país enfrentou violentos protestos, governos civis efêmeros e golpes de estado.

"Ele era perfeito. Ajudou muito o país e o povo da Tailândia. Os 70 milhões de tailandeses estão unidos em seu amor por ele", disse Wacharadej Tangboonlabkun, 65, que como muitos tailandeses passou quase toda a vida sob o reinado de Bhumibol.

26.out.2017 - Nas primeiras horas desta quinta, multidão aguarda o início do cortejo fúnebre - Ye Aung Thu/AFP Photo - Ye Aung Thu/AFP Photo
Nas primeiras horas desta quinta, multidão aguarda o início do cortejo fúnebre
Imagem: Ye Aung Thu/AFP Photo