Avianca demite 45 pilotos por greve na Colômbia

Bogotá, 1 Mar 2018 (AFP) - A companhia aérea Avianca demitiu 45 pilotos por sua participação na greve mais extensa da aviação na Colômbia, que durou 51 dias, entre setembro e novembro, informaram fontes sindicais nesta quarta-feira.

As 45 demissões atingem um grupo de 240 pilotos contra quem a empresa abriu um processo disciplinar por sua participação na paralisação, anunciou a Associação Colombiana de Aviadores Civis (Acdac), que liderou a paralisação das atividades.

Entre os demitidos, está o capitão Jaime Hernández, presidente da Acdac, que reúne 700 dos 1.388 pilotos da companhia aérea.

Segundo o sindicato, que convocou a greve para protestar por melhorias econômicas e de segurança aérea, a empresa iniciou os 240 processos disciplinares na segunda-feira, e eles serão concluídos em 6 de março.

Como resultado destes procedimentos, além das demissões, a companhia aérea suspendeu 16 pilotos, seis estão à espera de uma decisão, dois pediram demissão, um faltou e outro foi adiado.

"As acusações contra os pilotos correspondem à sua participação ativa na paralisação de atividades e na não apresentação às programações atribuídas durante a paralisação", apontou a Acdac em nota.

O presidente da companhia aérea, Germán Efromovich, alertou em setembro que, se a greve fosse declarada ilegal, ele demitiria todos os trabalhadores que não se apresentaram ao trabalho.

A paralisação de pilotos, que começou em 20 de setembro e terminou em 9 de novembro, afetou 420 mil usuários da companhia aérea.

AVIANCA TACA HOLDING

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos