PUBLICIDADE
Topo

Visita a Washington 'foi muito intensa', afirma presidente mexicano

09/07/2020 19h07

México, 9 Jul 2020 (AFP) - O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, disse nesta quinta-feira (9) que sua visita a Washington, onde se reuniu com o colega americano, Donald Trump, foi "muito intensa" e importante para ambos os países e o Canadá, parceiros em um acordo comercial trilateral cuja renovação foi celebrada por estes dois líderes.

"Foi uma visita com pouco tempo, mas muito intensa e considero muito importante para os três países da América do Norte - Canadá, Estados Unidos e México -, porque o novo acordo comercial foi acionado", comentou López Obrador, antes de embarcar de volta para casa.

O mexicano fez sua primeira viagem ao exterior em 18 meses como presidente para se reunir com seu colega americano, Donald Trump, por ocasião da entrada em vigor do T-MEC (USMCA, na sigla em inglês).

Este acordo de livre-comércio está ativo desde 1º de julho e substitui o antigo Nafta (na sigla em inglês), em vigor desde 1994 e renegociado por pressão de Trump.

"Isso vai significar investimentos para a região, empresas, trabalho e bem-estar para nossos povos", acrescentou o presidente AMLO em uma transmissão de vídeo em suas redes sociais. Nela, está acompanhado de seu chanceler, Marcelo Ebrard; da secretária de Economia, Graciela Márquez; e da embaixadora mexicana em Washington, Martha Bárcena.

Em sua primeira reunião cara a cara, Trump e López Obrador se elogiaram mutuamente e ignoraram as tensões entre os dois países em tema sensíveis como migração e segurança desde que o americano chegou ao poder, com uma retórica antimexicana.

- Aproveitar oportunidade com Trump -

A embaixadora Martha Bárcena informou que López Obrador ordenou que ela e seus ministros aproveitassem a "janela de oportunidade" que se abre a partir desta visita até o começo do ano que vem para promoverem a recuperação econômica, a busca por investidores e a criação de empregos. "Temos seis meses e temos que aproveitar esta oportunidade, porque talvez esta janela não volte a se abrir para nós", advertiu, durante entrevista coletiva na embaixada mexicana em Washington.

Trump, que busca ser reeleito em novembro, mas que perde nas pesquisas para o candidato democrata, Joe Biden, encerra seu mandato em 19 de janeiro.

A embaixadora também destacou a homenagem calorosa que o grupo de 11 empresários mexicanos que acompanhou López Obrador - que incluiu Carlos Slim e Ricardo Salinas, os dois homens mais ricos do México - fez a ele após o jantar de gala na Casa Blanca. "Todos os empresários o aplaudiram longamente e lhe disseram que nunca haviam visto uma visita que lembrem ter sido tão bem-sucedida em circunstâncias tão difíceis", relatou.

López Obrador mantém uma relação tensa com o empresariado mexicano, que se traduziu em um clima de incertezas para o investimento privado e um desempenho econômico pobre.

O Canadá foi o grande ausente da reunião. O primeiro-ministro Justin Trudeau se recusou a participar, enquanto permanece no ar a possibilidade de sanções dos EUA ao alumínio canadense.

Ao chegar ao aeroporto de Washington, López Obrador foi visto novamente usando máscara de proteção, algo inédito até a sua visita aos EUA. Ele não pôde evitar o acessório, cujo uso pelos passageiros é exigido pelas autoridades aeronáuticas internacionais, devido à pandemia de COVID-19.

Como parte de sua política de austeridade, o presidente mexicano viajou de volta a seu país em um avião comercial, que fez escala em Miami e chegou à capital mexicana na tarde desta quinta-feira.

jla/jg/tt/lb