PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Tentativa de Biden de unir EUA se choca com muro republicano de fraude eleitoral

11/05/2021 16h41

Washington, 11 Mai 2021 (AFP) - Apesar de seus inúmeros esforços para se encontrar com opositores republicanos, o veterano líder democrata, Joe Biden, não consegue enfrentar um problema: a maioria deles ainda não aceita que ele seja o presidente legitimamente eleito pelo povo nas eleições de novembro passado, quando derrotou Donald Trump.

A desconexão com a realidade entre os republicanos é estranha até mesmo para os padrões de Washington.

"Na história moderna, não vimos nada nem remotamente parecido com isso", disse Capri Cafaro, que leciona na Escola de Relações Públicas da Universidade Americana e também foi senador democrata pelo estado de Ohio.

"Isso é sem precedentes", enfatizou.

Ao longo desta semana, Biden deve promover um tom de unidade em suas aparições.

Na terça-feira, ele deve se reunir virtualmente com um grupo de governadores de ambos os partidos. Na quarta-feira, receberá na Casa Branca os quatro principais líderes democratas e republicanos no Congresso.

E, na quinta-feira, marcou uma reunião com cinco senadores republicanos.

As negociações de quarta-feira, com os democratas Nancy Pelosi e Chuck Schumer e os republicanos Mitch McConnell e Kevin McCarthy, trarão para a mesma mesa as pessoas mais poderosas e ferozmente opostas do país.

"Terão um diálogo político mutuamente acordado e identificarão um terreno comum onde possam trabalhar juntos e apresentar resultados sobre os desafios que as famílias americanas enfrentam", disse um funcionário da Casa Branca.

Mas Biden falará com líderes de um partido no qual 55% de seus apoiadores, de acordo com uma pesquisa da Reuters/Ipsos de abril, ainda acreditam que a derrota de Trump para Biden em novembro passado foi objeto de fraude.

A maioria dos legisladores republicanos também votou a favor de contestar o resultado. E o fato de não haver um fragmento de evidência para suas afirmações não faz diferença para eles.

Como qualquer outra teoria da conspiração americana, o que Biden chama de "Grande Mentira" ganhou vida própria.

- Fantasia e realidade -Muitos, incluindo Biden, esperavam que as coisas fossem diferentes com Trump fora de cena.

"Veremos ocorrer uma epifania entre muitos de meus amigos republicanos", previu o então candidato.

Quando Trump instou seus partidários a marcharem contra o Congresso, mais tarde invadido com violência, em 6 de janeiro, enquanto os legisladores certificavam os resultados das eleições, o país ficou chocado.

Trump deixou o cargo duas semanas depois e parecia possível voltar à normalidade.

Ainda assim, como o QAnon, uma organização baseada na teoria da conspiração aparentemente ridícula e difícil de levar a sério que considera Trump como um salvador da humanidade, a fantasia de fraude eleitoral infiltrou-se no mundo real, com consequências palpáveis.

Liz Cheney, a republicana número três na Câmara dos Representantes e uma defensora de longa data da direita, provavelmente será removida do cargo na quarta-feira porque denunciou o "culto à personalidade perigosa e não democrática de Trump". E McCarthy, um dos quatro grandes líderes que Biden verá na quarta-feira, supervisionará sua punição pública.

- Biden experiente -Aqueles que acreditam na conspiração e um ex-presidente vingativo não são os únicos problemas de Biden para unir os Estados Unidos. Ele tem seu próprio partido para administrar.

Nos primeiros três meses de sua administração, Biden e seu chefe de gabinete, Ron Klain, conseguiram manter os democratas unidos. Mas à medida que as negociações sobre propostas de gastos extremamente ambiciosas e de vários bilhões de dólares se intensificam, as divisões se aprofundam.

Para conseguir algo através de um Senado dividido igualmente, a Casa Branca precisa do voto de todos os democratas, incluindo senadores tão diversos como o centrista Joe Manchin ou o progressista Bernie Sanders.

Para avançar em sua agenda, Biden também precisaria do apoio de pelo menos 10 republicanos.

Carl Tobias, professor de direito da Universidade de Richmond, opinou que Biden, que foi senador por quatro décadas, é sincero em sua busca pela unidade bipartidária.

"Ele realmente acredita que o governo funciona melhor quando ambas as partes trabalham em cooperação", disse Tobias. "Acredito que terá sucesso em alcançar seu objetivo de melhorar a democracia", disse ele.

E, no mínimo, Biden está liderando pelo exemplo. No mês passado, antes de seu discurso em uma sessão conjunta do Congresso, telespectadores de todo o país assistiram enquanto ele cumprimentava Liz Cheney.

Quando ele voou para o estado ultra-republicano de Louisiana na semana passada, Biden conversou na pista do aeroporto com o governador John Bel Edwards. Ambos católicos, encontraram pelo menos uma coisa em comum para falar: seus rosários de oração.

Estes gestos simbólicos foram surpreendentes em Washington, onde a guerra política de trincheiras se tornou a norma. Mas, eles podem não ser suficientes.

Se os democratas perderem a Câmara baixa na eleição de 2022, o bipartidarismo pode estar fora de questão.

sms/ec/llu/rsr/ap/mvv

IPSOS