PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Nobel da Paz, Malala pede a talibãs retorno de meninas à escola

Malala foi baleada por militantes do TTP, irmão ideológico do Talibã afegão, quando estava em um ônibus escolar, em 2012 - Getty Images/Getty Images for EIF & XQ
Malala foi baleada por militantes do TTP, irmão ideológico do Talibã afegão, quando estava em um ônibus escolar, em 2012 Imagem: Getty Images/Getty Images for EIF & XQ

Em Cabul

18/10/2021 10h20

A vencedora do Prêmio Nobel da Paz, Malala Yousafzai, que foi baleada pelos talibãs paquistaneses quando era estudante, pediu aos novos governantes do Afeganistão que permitam que as meninas voltem para a escola.

Há um mês, os talibãs, que retomaram o poder em agosto no país, proibiram as alunas de retomarem o ensino médio, enquanto os meninos foram autorizados a voltar às aulas.

Os talibãs disseram que vão permitir o retorno das meninas, depois de garantirem a segurança e a segregação estrita, conforme sua ultraconservadora interpretação da lei islâmica. Muitos duvidam, no entanto, de uma mudança de posição.

"Para as autoridades talibãs (...) revoguem a proibição, de fato, da educação de meninas e reabram imediatamente as escolas de ensino médio para elas", convocaram Malala e várias ativistas afegãs pelos direitos das mulheres, em uma carta aberta divulgada ontem.

Malala pediu aos líderes das nações muçulmanas que deixem claro para os talibãs que "a religião não justifica impedir que as meninas frequentem a escola".

"O Afeganistão é agora o único país do mundo que proíbe a educação de meninas", disseram as signatárias, entre elas, Shaharzad Akbar, chefe da Comissão de Direitos Humanos afegã do último governo apoiado pelos Estados Unidos.

Elas também pediram aos líderes mundiais do G20 que forneçam fundos urgentes para um plano educacional para as crianças afegãs.

Malala Yousafzai foi baleada por militantes do TTP (Tehreek-e-Taliban Pakistan), o irmão ideológico do Talibã afegão, em sua cidade natal, no Vale do Swat, quando estava em um ônibus escolar, em 2012.

Agora, com 24 anos, ela defende a educação das meninas. Seu Fundo Malala, uma organização sem fins lucrativos, já investiu US$ 2 milhões no Afeganistão.

Internacional