PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Putin visita a Índia em busca de acordos militares e no setor de energia

06/12/2021 09h55

Nova Délhi, 6 dez 2021 (AFP) - O presidente da Rússia, Vladimir Putin, viaja nesta segunda-feira (6) na Índia com o objetivo de fortalecer as relações militares e no setor de energia com um aliado tradicional que também é cortejado pelos Estados Unidos.

Washington, que busca contra-atacar a ascensão da China, estabeleceu um diálogo sobre segurança com Índia, Japão e Austrália, o que provocou preocupação em Pequim e Moscou.

A Índia foi um país próximo da ex-União Soviética durante a Guerra Fria e a relação perdurou tanto que Nova Délhi a classifica como "uma aliança estratégica especial e privilegiada".

"A amizade entre Índia e Rússia resistiu ao teste do tempo", afirmou o primeiro-ministro indiano Narendra Modi a Putin em uma reunião virtual em setembro. "Sempre foi um grande amigo da Índia".

Esta é a segunda viagem internacional do presidente russo desde o início da pandemia, depois de uma reunião em junho na cidade de Genebra (Suíça) com o presidente americano, Joe Biden.

A visita de Putin à Índia é ainda mais notável porque ele não compareceu a reuniões importantes, como os encontros de cúpula do G20 e a COP26, e também adiou uma visita prevista a China.

Este será o primeiro encontre entre Putin e Modri desde que conversaram à margem da reunião dos BRICS no Brasil em 2019.

"Isto é muito simbólico", comentou Nandan Unnikrishnan, do centro de estudos Observer Research Foundation de Nova Délhi.

Mas Putin terá que lidar com uma dinâmica regional complexa, consequência das tensões crescentes entre Índia e China, outro tradicional aliado de Moscou, após confrontos letais na região do Himalaia.

"A influência russa na região é muito limitada", afirmou Tatiana Belousova da OP Jindal Global University de Haryana, "em especial devido aos vínculos com a China e a indisposição de contrariar os interesses regionais chineses".

O Kremlin afirmou na semana passada que as conversações serão dominadas por temas de defesa e energia, com a participação do presidente da empresa russa Rosneft, Igor Sechin.

A Rússia é um fornecedor de armas de longa data da Índia, que busca modernizar suas Forças Armadas, e um de seus maiores contratos inclui a compra de mísseis terra-ar S-400 de longo alcance.

O acordo avaliado em mais de US$ 5 bilhões foi assinado em 2018 e as entregas já começaram, mas este pode colocar em risco o relacionamento crescente entre Nova Délhi e Washington, que ameaçou aplicar sanções em função da compra.

A lei americana 'Countering America's Adversaries Through Sanctions Act' sanciona a compra de armas russas por parte de qualquer país.

"É bastante notável que a Índia tenha decidido seguir com a compra dos S-400, apesar da desaprovação dos Estados Unidos", comentou Belousova.

Nandan Unnikrishnan recordou que os equipamentos militares são "cruciais" para a Índia, por suas tensões persistentes com o Paquistão.

bur-ash/slb/reb/mas/lm/fp