PUBLICIDADE
Topo

Sobe para 41 número de mortos em atentado no aeroporto de Istambul

Da Agência Ansa

29/06/2016 08h20

Trabalhadores do Aeroporto Ataturk, em Istambul, na Turquia, limpam os escombros da área atingida por explosões, após um ataque terrorista que deixou pelo menos 41 mortos e mais de 200 feridosSedat Suna/EPA/Agência Lusa Subiu para 41 o número de mortos no atentado de ontem (28) no Aeroporto de Ataturk, em Istambul, na Turquia. Desse total, pelo menos dez são cidadãos estrangeiros. O balanço foi divulgado nesta quarta (28) pelo governador de Istambul, Vasip Sahin, que informou também que o ataque deixou 239 feridos, dos quais 109 já receberam alta hospitalar. O número de mortos não inclui os três terroristas que se explodiram durante a ação e cujos restos mortais já passaram por autópsia. Suas identidades ainda não foram divulgadas oficialmente, mas, de acordo com fontes próximas às investigações, tratam-se de estrangeiros. Armados com fuzis kalashnikov, os homens abriram fogo na área de embarque do aeroporto por volta das 22h, no horário local (14h no Brasil). Pouco depois, durante confronto com a polícia, acionaram explosivos presos aos seus corpos. Outras quatro pessoas também fariam parte do comando, sendo que três ainda estariam foragidas. Horas depois das explosões, a polícia prendeu uma mulher suspeita de envolvimento no ataque. Papa "Ontem [28], em Istambul, foi realizado um brutal ataque terrorista, que matou e feriu muitas pessoas. Oremos pelas vítimas, pelos familiares e pelo caro povo turco. Que o Senhor converta o coração dos violentos e sustente os nossos passos rumo à paz", afirmou o papa Francisco nesta quarta-feira, após uma cerimônia no Vaticano. Nos últimos dias, o Pontífice voltou a se envolver em polêmica com a Turquia por conta do seu reconhecimento do genocídio armênio cometido pelo Império Otomano um século atrás, crime que é negado até hoje por Ancara. Autoria Até o momento, ninguém reivindicou o atentado no Aeroporto de Istambul até o momento, mas as principais suspeitas recaem sobre o grupo jihadista Estado Islâmico (EI), já que a Turquia integra a coalizão internacional que combate a milícia no Oriente Médio. No entanto, não está descartada a hipótese de uma ação de separatistas curdos. O ataque acontece no momento em que o país tentava normalizar suas relações com a Rússia, abaladas por conta do abatimento de um caça na fronteira com a Síria, e com Israel.