PUBLICIDADE
Topo

Aécio evita comentários sobre 2018, mas prevê aumento de deputados do PSDB

Léo Rodrigues - Correspondente da Agência Brasil

30/10/2016 14h31

Ao acompanhar na manhã de hoje (30) o voto do candidato João Leite (PSDB) em Belo Horizonte, o senador e presidente nacional do PSDB, Aécio Neves, evitou dizer se será candidato à Presidência da República em 2018. Ele avaliou, entretanto, que a legenda é a maior vitoriosa destas eleições municipais e disse que, como consequência, deverá contar com um aumento em suas bancadas de deputados federais e estaduais em todo o país. "Estamos vivendo 2016. 2018 é só depois de 2017. Se os jornalistas forem fazer uma conexão direta deste processo com 2018, teriam que estampar amanhã nas páginas dos jornais que o PSDB já é vitorioso na próxima eleição presidencial. E nós sabemos que não é assim. É preciso trabalhar neste período. Agora, é momento de se dedicar a uma agenda de reformas para gerar emprego e trazer estabilidade. Esta é a questão central", disse Aécio, evitando se colocar como candidato. Segundo o presidente do PSDB, é possível relacionar as eleições municipais e as eleições para o parlamento. "É possível constatar que, historicamente, o partido que cresce nos municípios quase que automaticamente tem um aumento em suas bancadas na Câmara dos Deputados e nas assembleias legislativas estaduais. Certamente isso acontecerá com o PSDB em 2018", avaliou. No primeiro turno, o PSDB elegeu 793 prefeitos. No segundo turno, o partido é o que tem maior número de candidatos. A legenda disputa o pleito em 19 das 57 cidades que vão às urnas hoje (30). Em 2012, o PSDB havia conquistado 695 prefeituras. "É uma resposta clara da sociedade brasileira ao papel que nosso partido vem desempenhando ao denunciar as irregularidades do governo petista e ao liderar uma agenda de reformas essencial para que o Brasil construa um caminho de recuperação econômica", finalizou Aécio Neves. Disputa em BH João Leite (PSDB) disputa o segundo turno em Belo Horizonte com Alexandre Kalil (PHS). No primeiro turno, o tucano foi o mais votado com 33,4% dos votos válidos. O candidato do PHS registrou 26,56% da preferência do eleitorado. Ambos votaram no mesmo local, a Escola Estadual Governador Milton Campos, conhecida popularmente como Colégio Estadual Central.