Topo

ANP quer calendário de leilões permanente para os próximos 5 anos

Nielmar de Oliveira - Repórter da Agência Brasil

2017-10-24T17:36:00

24/10/2017 17h36

O diretor-geral da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), Décio Oddoni, manifestou hoje (24) otimismo com a realização da 3ª e 4ª Rodadas do pré-sal, que acontece na sexta-feira (27). "Todas as áreas do pré-sal terão interessados, porque é uma área de alta produtividade. Tem poços produzindo 40 mil barris por dia, o que acontece em pouco países. É um volume de produtividade muito grande", disse. A avaliação da ANP é de que haverá uma disputa acirrada entre as 16 petrolíferas que estão habilitadas para as duas rodadas com oferta de oito blocos, todos na região do pré-sal. Oddoni anunciou que o governo pretende adotar um calendário fixo de leilões para os próximos cinco anos. "Nós vamos complementar com as áreas ofertadas para 2020 e 2021, cumprindo assim cinco anos de calendário. A ideia é ter um calendário fixo, uma oferta permanente. E isso será implementado a partir do ano que vem", disse. A intenção do governo, disse Oddoni, "é criar um banco de oferta que estará sempre a disposição das companhias, com condições mínimas, preços mínimos, programa exploratório mínimo. Se alguém se manifestar [interessado] vai haver o leilão". Oddoni disse que das oito áreas que serão leiloadas na próxima sexta-feira, em regime de partilha, o Estado deverá se apropriar de 75% de toda a renda gerada com a atividade de exploração e produção proveniente do pré-sal. Na avaliação do diretor da ANP, estão incluídos os recursos provenientes do bônus de assinatura, que pode chegar a R$ 7,75 bilhões; royalties, impostos e tributos decorrentes da atividade. O diretor da ANP participou da abertura da Offshore Tecnology Conference (OTC 2017), que acontece até a próxima quinta-feira (26), no Rio.