OEA denuncia irregularidades em eleições venezuelanas por falta de observação

Da Agência EFE

A Organização dos Estados Americanos (OEA) denunciou irregularidades e violações sistemáticas durante as eleições regionais do último dia 15 de outubro na Venezuela devido à falta de observação independente. A informação é da Agência EFE.

"O processo eleitoral venezuelano esteve infestado de irregularidades que restringiram os direitos políticos dos cidadãos e impediram que os resultados publicados pelo Conselho Nacional Eleitoral (CNE) refletissem a vontade do povo venezuelano", afirmou a OEA em relatório divulgado ontem (24) à noite.

"Essas irregularidades, que se fizeram visíveis dentro e fora do país, geraram um clima de desconfiança e incerteza a respeito da transparência e validade das eleições", acrescentou.

A OEA criticou a ausência de uma "observação eleitoral internacional imparcial" nas eleições e disse que uma auditoria integral do processo já é inviável pela "impossibilidade material" de verificar alguns dos procedimentos.

Com cerca de 53% dos votos, o chavismo ganhou 18 dos 23 governos no último dia 15 de outubro, enquanto a oposição, com 45%, conseguiu se impor em apenas cinco.

Os resultados geraram uma divisão na oposição, já que os quatro governadores eleitos que pertencem ao partido opositor Ação Democrática (AD) juraram seus cargos perante a governista Assembleia Nacional Constituinte (ANC).

O outro governador, do Primeiro Justiça (PJ), o partido do líder opositor Henrique Capriles, não jurou perante a ANC e pode perder o cargo.

O secretário-geral da OEA, Luis Almagro, teve na semana passada uma discussão acalorada com o líder do AD, Henry Ramos Allup. Almagro acusou a oposição, à qual defende desde que chegou à Secretaria Geral da OEA, de ser parte da "fraude" por participar do processo eleitoral.

"É muito claro que qualquer força política que aceita participar de uma eleição sem garantias se transforma em instrumento essencial da eventual fraude", disse.

Essa mensagem irritou Allup, ex-presidente da Assembleia Nacional, que respondeu: "Inconvenientes as suas declarações e não nos ajudam em nada neste momento, porque se nós decidimos participar, é uma decisão que apenas nós devemos tomar".

Nesse sentido, Capriles ameaçou nessa terça-feira abandonar a coalizão opositora Mesa de Unidade Democrática (MUD) se Allup não sair antes.

*É proibida a reprodução total ou parcial desse material. Direitos Reservados

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos