PUBLICIDADE
Topo

Embraer e Boeing confirmam tratativas entre as empresas

Bruno Bocchini - Repórter da Agência Brasil

21/12/2017 18h52

Fabricante do KC-390, Embraer estuda associação com a Boeing (Divulgacao Embraer - Todos Direitos Rerservados) Em comunicado conjunto publicado pela Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (Securities and Exchange Commission), a Embraer e Boeing informaram hoje (21) que estão em tratativas a respeito de uma "potencial combinação". De acordo com o texto, as bases da negociação ainda estão em discussão. Segundo o comunicado, não há garantia de que as conversações irão ter resultado efetivo. "Não há garantias de que estas discussões resultarão em uma transação. Boeing e Embraer não pretendem fazer comentários adicionais a respeito das discussões", diz o texto. O comunicado informa ainda que a transação estaria sujeita à aprovação do governo e agências reguladoras do Brasil, bem como dos respectivos conselhos e dos acionistas da Embraer. De acordo com notícia do The Wall Street Journal, publicada hoje, a companhia americana pretende assumir o controle da Embraer. Segundo a reportagem, a Embraer receberia um ágio relativamente alto pelo negócio. Metalúrgicos A possibilidade da venda da empresa brasileira foi repudiada pelo Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região. Para a entidade, que representa os trabalhadores da companhia, a Embraer é estratégica para o país e não pode ser vendida para capital estrangeiro. "Exigimos que o governo federal vete a venda e, enfim, reestatize a Embraer como forma de preservar e retomar este patrimônio nacional", destacou em nota. Segundo o sindicato, a Embraer emprega hoje cerca de 16 mil trabalhadores no Brasil. "[A empresa] já vinha adotando uma profunda política de desnacionalização da produção. A venda para a Boeing vai comprometer esses postos de trabalho e a própria permanência da fábrica no país".