Processo de impeachment

Governo Temer deveria se comportar como interino, diz Lula a canal russo

Em São Paulo

  • Ueslei Marcelino/Reuters

    12.mai.2016 - Lula ouve o discurso da presidente Dilma em frente ao Palácio do Planalto no dia de seu afastamento

    12.mai.2016 - Lula ouve o discurso da presidente Dilma em frente ao Palácio do Planalto no dia de seu afastamento

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou, em entrevista ao canal russo "RT" em espanhol, que o governo do presidente em exercício, Michel Temer, "deveria se comportar como interino", argumentando que o Senado pode ainda mudar de ideia e a presidente Dilma Rousseff voltar ao poder.

Na entrevista disponível no site do canal, Lula criticou o fato de o governo Temer --que na avaliação dele não tem legitimidade-- realizar mudanças nesse período em que o afastamento de Dilma não está confirmado. "E se daqui a três meses a Dilma conquista a vitória no Senado, terá que refazer tudo, um país não pode suportar isso", avaliou. "O governo interino está atuando com muita falta de respeito àquilo que o Senado lhe deu: uma interinidade."

Lula qualificou o processo de afastamento de Dilma como um "estupro contra a democracia brasileira". Segundo ele, seu desconforto no dia do afastamento ocorreu não apenas porque a presidente deixava o poder de forma abrupta, mas a interrupção de "todo um projeto, de sonhos, de inclusão social". Na entrevista, Lula defendeu seu legado de aumento da classe média e retirada de milhões da miséria.

O ex-presidente disse que, caso houvesse um acordo geral, seria possível convocar eleições gerais e também uma assembleia para realizar uma reforma política, mas rechaçou a administração de Temer. "Não se pode conformar é que, em pleno século 21, tenhamos um governo ilegítimo."

Lula diz na entrevista que o Brasil "tem uma democracia muito recente, de apenas 31 anos", mas que "para os conservadores parece que era muito tempo". Ele criticou o impacto desse fato para a imagem do País. Segundo o petista, há muitos brasileiros dispostos a ir às ruas, como "artistas", "intelectuais", "sindicalistas", "os negros".

O ex-presidente disse que Dilma foi vítima de "um boicote dos meios de comunicação e de empresários que não pagaram seus impostos para diminuir a arrecadação do governo". Lula também fez um mea culpa, ao dizer que é preciso "admitir nossos erros", porque a presidente foi eleita com um discurso, mas depois da vitória "não fizemos o que dissemos". Segundo ele, Dilma é consciente de que "terá de mudar muitas coisas para governar com o apoio da maioria do povo brasileiro".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos