'Eu quero desidratar essa coisa de centrão', afirma Temer

Em Brasília

  • Beto Barata/PR

    O presidente interino, Michel Temer (PMDB-SP)

    O presidente interino, Michel Temer (PMDB-SP)

O presidente em exercício, Michel Temer, disse, em entrevista ao jornal "O Estado de S. Paulo", que pretende implodir o centrão, grupo de partidos médios e até hoje ligados ao ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que está prestes a ser cassado. "Quero desidratar essa coisa de centrão e de outro grupo. É preciso unificar isso. Quero que seja tudo situação", afirmou ele. O "outro grupo" se refere à antiga oposição, composta por PSDB, DEM, PPS e PSB.

Temer confia no recesso branco deste mês para que as "pequenas ranhuras" deixadas na disputa pelo comando da Câmara sejam cicatrizadas. "Uma ferida não dura mais do que 15 dias, não é verdade? Se você se ferir, verá que dali a 15 dias se formou uma casquinha. A casquinha se dissolve."

Um dia após a vitória de Rodrigo Maia (DEM-RJ), apoiado pelo Planalto e pelo PSDB para a presidência da Câmara, Temer contou que usará os 15 dias do recesso para compor o segundo escalão do governo. A direção de Furnas, por exemplo, ficará com a bancada do PMDB de Minas.

Quando chegar agosto, não haverá cicatriz. Eu quero aos poucos desidratar essa coisa de centrão e outro grupo. É preciso unificar isso. Quero que seja tudo situação

Michel Temer, presidente interino

Pergunta - O sr. avalia que a eleição do deputado Rodrigo Maia para a presidência da Câmara representou derrota do PT, do ex-presidente Lula, da presidente afastada Dilma Rousseff e de Eduardo Cunha?

Michel Temer - O Congresso quis dar uma mensagem de apoio ao governo, com os dois candidatos que foram para o segundo turno (Rodrigo Maia e Rogério Rosso, do PSD, candidato do centrão). Acho que está havendo uma distensão na Câmara. O candidato que teve apoio de outras alas foi justamente o nosso peemedebista Marcelo Castro. O que restou de tudo isso foi apoio ao governo.

E uma derrota poderia ter impacto na votação do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff?

Convenhamos, se há outro tipo de vitória, já iam dizer "Ah, o governo perdeu", dar outra interpretação. Se o Planalto fosse derrotado, seria negativo para o governo e para o país.

O centrão saiu maculado, presidente, está se desintegrando...

Hoje, conversando com Rodrigo [Maia], nossa ideia é acabar com essa história da divisão. O que houve foram pequenas ranhuras, pequenas rachaduras. O recesso branco vai ajudar. Quando chegar agosto, não haverá cicatriz. Eu quero aos poucos desidratar essa coisa de centrão e outro grupo (formado pela antiga oposição). Quero que não haja mais essa coisa. É preciso unificar isso. Quero que seja tudo situação.

O sr. fará reforma ministerial para acomodar a base aliada após a disputa na Câmara?

Isso eu vou examinar naturalmente depois que o Senado decidir [se acatará o impeachment da presidente afastada, Dilma Rousseff]. Seria apressado qualquer outra afirmação. Mas não creio que haja feridas na base ministerial. Na base parlamentar, isso passa. Especialmente porque agora tem o recesso.

Mas como o sr. vai curar essas feridas? Ficaram cicatrizes.

Não é exatamente a mim que cabe curar. Uma ferida não dura mais do que 15 dias, não é verdade? Se você se ferir, verá que dali a 15 dias se formou uma casquinha. A casquinha se dissolve e volta ao normal.

Nesses 15 dias as nomeações vão sair do papel?

Vamos fechar tudo isso. Os nomes serão examinados, pautados pela Lei das Estatais, que estabelece restrições.

Quem vai para o Turismo? Alguém do PMDB de Minas?

Estamos examinando com calma. A bancada do PMDB de Minas está acertando com Furnas. Vou devolver a estatal a eles. Furnas pode ser mais expressiva politicamente do que o Turismo. Tem Chesf, Eletronorte, Eletrosul, Itaipu...

A ascensão do DEM e do PSDB configura nova hegemonia na base aliada do governo?

Acho que tem de haver hegemonia da base. Por quem ela é composta pouco importa. Se eu falar em hegemonia de um ou outro, estarei dividindo aquilo que estou fazendo força para reunificar. É claro que, quando surgirem problemas, em fevereiro [nova eleição para a presidência da Câmara], talvez haja nova movimentação.

O senador Aécio Neves (MG) tentou fechar um acordo para que o sr. apoiasse um candidato do PSDB à presidência da Câmara, em 2017. Isso é possível?

Procurei não entrar nessa questão da Câmara, mas, quando começou a ter aquela coisa de que havia um candidato de oposição e que ia gerar manchete "Temer derrotado", é claro que eu tive uma preocupação. Não entrei nessas histórias de acordo para depois. No momento oportuno, em janeiro de 2017, vamos examinar.

O sr. planeja se afastar de Eduardo Cunha?

Eu nunca me aproximei demais nem me afastei demais. Sempre tive um trato pessoal e um institucional. Nunca tive preocupação do tipo "Ah, se falar com fulano, está condenado". Eu falo com o Brasil inteiro, falo com a oposição. Aliás, confesso que não sei: como foi a CCJ hoje [ontem]?

Cunha sofreu fragorosa derrota e agora o seu caso vai para o plenário da Câmara.

É matéria tipicamente da Câmara, que saberá decidir. Resta a ele o combate no plenário.

Mas o sr. sugeriu que ele renunciasse, não?

Não. Apenas quando ele falou sobre isso, de passagem, eu disse que ele deveria meditar...

Cunha chegou a dizer a seus pares: "Hoje sou eu, amanhã são vocês". O sr. não teme uma delação dele na Lava Jato?

Não sei o que ele quis dizer com isso. Talvez ele saiba, mas eu não saberia avaliar.

O sr. já disse que a Lava Jato não abalará sua gestão, mas delatores de empresas que tinham contratos com a Petrobras acusam políticos do PT e do PMDB, entre outros, de corrupção. O governo está imune?

O presidente da República está e penso que o governo também. Não tenho preocupação com isso. De vez em quando um ou outro fala em meu nome, mas é tão irrelevante que, se me permite a expressão, não cola, não é?

O sr. já mostrou disposição de conversar com a oposição. Quando será isso?

Nas questões de Estado, não nas questões de governo. Nas questões de governo tenho absoluta convicção de que eles não apoiariam. Mas (...) a Previdência, por exemplo, é algo que dá para conversar, porque não é para hoje.

O sr. vai procurar o ex-presidente Lula?

Precisamos primeiro esperar passar a decisão do impeachment, não é?

Como será sua participação nas eleições? O sr. subirá no palanque de Marta Suplicy?

Não vou subir em palanque. Acho complicado porque tenho uma base parlamentar muito ampla. Não sou mais presidente do PMDB. Hoje tenho de tomar mais cautela.

O sr. fica incomodado quando é chamado de golpista?

Nada, porque não sou. Só se for um golpista que se ampara na Constituição. Se isso é ser golpista... (faz silêncio e dá risada). Eu acho graça.

A população pode esperar medidas econômicas amargas depois do impeachment?

Quando você fala em medidas amargas, na verdade, elas são para adocicar os interesses da população logo adiante. No momento não cogitamos [aumento de] impostos. É claro que, como disse o ministro [da Fazenda, Henrique] Meirelles, esta pode ser até uma alternativa C. Mas há a alternativa A e B, como a venda de ativos, a recuperação de verbas que hoje são gastas indiscriminadamente. Tudo isso pode redundar na desnecessidade de pensarmos em novos tributos. Só cogitaremos se for absolutamente indispensável. Não pensamos em novos impostos agora.

A redução de 0,51% do índice da atividade econômica do Banco Central de maio assustou?

Não assusta porque o governo sabe que vivemos uma situação dificílima e que tem de continuar trabalhando para resolver isso lá na frente, não antes de janeiro, fevereiro... É um palpite mais ou menos alicerçado no que eu tenho discutido com a área econômica. A partir daí, especialmente a partir de agosto, quando acabarão os impedimentos [a votação do impeachment de Dilma Rousseff], seja pela continuidade ou não, o país dará um salto.

O que virá em janeiro?

Emprego, porque das questões da área social nós estamos cuidando.

Juros cairão no fim do ano?

Eu disse que tenho esperança. Não é que tenho convicção absoluta, porque a área econômica é que tem de cuidar disso, e ela é suficientemente competente para verificar quais as consequências da redução ou da manutenção. Para o meu paladar político e econômico, se houver pequena redução dos juros, acho que será bem recebido.

Redução de quanto?

Acho apenas que tem de ser uma coisa responsável. Porque muitas vezes pensa-se numa redução populista, de 14,25% para 7%. Isso não é responsável. Sou fraco em números [rindo].

Dá para aprovar medidas duras, como reformas da Previdência e trabalhista, num ano eleitoral?

Não sei se dá para aprovar rapidamente. Em um mês não se aprova. Elas vão ser amplamente discutidas. Estamos reunidos com as centrais sindicais para ir explicando, asfaltando o terreno, para que haja uma relativa concordância.

O prazo para repatriação poderá ser prorrogado?

O ministro Meirelles está vendo quais aperfeiçoamentos poderiam ser feitos. Mas não se fala em prorrogar. Isso não há. 

As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos