Barbosa diz maior problema dos questionamentos atuais é a retroatividade

Brasília - O ex-ministro da Fazenda Nelson Barbosa já repetiu, por diversas vezes, que o maior problema dos questionamentos que estão sendo realizados agora é a sua retroatividade. O ex-ministro da presidente afastada Dilma Rousseff chegou a citar o atual dirigente da Fazenda, Henrique Meirelles, mais de uma vez. "Isso pode afetar o funcionamento do Estado brasileiro", disse.

Em referencia ao governo atual, Barbosa afirmou que o ministério da Fazenda passou a sobrecarregar o Tribunal de Contas da União (TCU) e desvirtuar o papel da corte. "A atual gestão precisou perguntar ao TCU sobre a possibilidade de uma medida provisória para ajudar o Rio de Janeiro, por exemplo", disse.

Ao responder questionamentos do senador Álvaro Dias (PV-PR) sobre a necessidade de "sepultar o sistema da manipulação de números que levou o País a essa crise", Barbosa releu uma nota distribuída por Henrique Meirelles quando o Reino Unido decidiu pela saída da União Europeia. "Comparado com o passado, o Brasil se encontra hoje em situação mais robusta", disse.

Também em referencia à atual gestão, Barbosa afirmou que a escolha de Meirelles por enviar uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) sobre o teto do gasto público, não foi a melhor. "Acho uma PEC o instrumento errado para adequar os gastos públicos", disse.

Barbosa disse ainda que o déficit fiscal de R$ 170,5 bilhões proposto pela nova equipe econômica e o de R$ 139 bilhões para 2017 é resultado dessa retroatividade, onde não se pode ter frustração de receitas como em sua gestão, quando ele precisou pedir ao Congresso Nacional uma alteração da meta fiscal.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos