Imperatriz retrata cultura indígena e faz críticas ao uso de agrotóxicos

Rio - A Imperatriz Leolpoldinense foi a terceira escola a entrar na Marquês de Sapucaí no primeiro dia de desfile do Grupo Especial. Com o enredo "Xingu, o clamor da festa", a agremiação retratou a cultura indígena, fez críticas ao uso de agrotóxicos e trouxe de volta à avenida a musa Luiza Brunet, que não desfilava desde 2012.

A modelo e empresária de 54 anos saiu caracterizada como índia. Luiza vestiu uma fantasia discreta, com um maiô cor da pele e um longo véu cobrindo o quadril. Ela esbanjou simpatia durante o desfile, mandando beijos para a plateia.

Um dos carros de maior destaque foi o "Belo Monstro", referência à usina hidrelétrica de Belo Monte. Em cima dele, estavam lideranças indígenas, como o cacique Raoni. Além da crítica ao uso de agrotóxicos, a escola também dedicou alas contra a queimada e o desmatamento.

O enredo do carnavalesco Cahe Rodrigues gerou reação de representantes do agronegócio, que viram o tema como um ataque ao setor.

A comissão de frente também chamou a atenção do público, com homens que ficaram suspensos no ar com a abertura de uma representação de uma oca. Na sequência, o carro alegórico "O Encanto da Floresta" fez a plateia levantar. Mulheres em destaque dançavam e chamavam o público para cantar o samba enredo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos