PUBLICIDADE
Topo

Base aliada espera votar pedido da PGR contra Temer até 17 de julho

26.jun.2017 - O presidente Michel Temer durante solenidade no Palácio do Planalto - Evaristo Sá/AFP
26.jun.2017 - O presidente Michel Temer durante solenidade no Palácio do Planalto Imagem: Evaristo Sá/AFP

Daiene Cardoso e Renan Truffi

Brasília

04/07/2017 17h54

Deputados governistas definiram nesta terça-feira (4) um calendário para a tramitação do pedido de investigação da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o presidente Michel Temer (PMDB) na Câmara dos Deputados. Por esse cronograma, o objetivo é votar a admissibilidade do processo até 17 de julho, um dia antes do início do recesso parlamentar.

A informação foi confirmada pelo líder do DEM na Câmara, deputado Efraim Filho (BA). Segundo ele, respeitando todos os prazos regimentais, a leitura do parecer na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) deve acontecer até 10 de julho. Isso tendo como base uma provável apresentação da defesa do presidente nesta quarta-feira (5).

Dessa forma, a votação na CCJ aconteceria no dia 12 de julho, na próxima quarta-feira. Depois disso, o pedido seguiria para Plenário. Inicialmente, a base aliada espera tentar votar o assunto já no dia seguinte à apreciação da CCJ. Ou seja, no dia 13 de julho, próxima quinta-feira.

Os parlamentares contam, no entanto, com a possibilidade de terem que fazer essa votação final na sexta-feira, 14 de julho, ou, no máximo, no dia 17, que está marcado como último dia de atividades no Congresso. Isso quer dizer que, por enquanto, está descartada a possibilidade de votação no fim de semana, como deseja a oposição.

Confira o calendário previsto:

- 5 de julho (4ª feira): entrega da defesa do presidente;

- 10 de julho (2ª feira): leitura do parecer na Comissão de Constituição e Justiça;

- 12 de julho (4ª feira): votação do relatório na CCJ;

- até 17 de julho: a votação em plenário seria realizada na 5ª feira (13/jul), 6ª (14/jul) ou, no máximo, na 2ª (17/jul), último dia de atividades do Congresso.

Temer: primeiro presidente denunciado durante exercício de mandato

UOL Notícias