"Não sei como não me acertaram", diz testemunha de ataque do PCC em frente a hotel

Felipe Resk

São Paulo

Às 19h35 da última quinta-feira, dia 22, um representante comercial de 55 anos e a mulher dele, de 59, pararam o carro na área de embarque do Hotel Blue Tree Towers, na zona leste de São Paulo, para encontrar um casal de hóspedes, vindo da Bahia, com quem marcaram um jantar. "Quando estou descendo e vou abraçar meu amigo, uma pessoa vem atirando de longe. E um dos tiros acertou minha esposa", contou, sobre o ataque que matou o líder do PCC na Baixada Santista, Wagner Ferreira da Silva, o Cabelo Duro.

O disparo de fuzil varou a perna da vítima, que passou por cirurgia. "Pensei que eram fogos, aí, de repente, começou tudo... Não sei como é que não me acertaram", disse. No hotel, pessoas se atiraram no chão. Alguns hóspedes trancaram o quarto, temendo se tratar de uma invasão.

Outra mulher, de 28 anos, acabou ferida na mão e no tórax. Nenhuma das duas corre risco de morte. "A polícia veio rápido, colocaram minha esposa na viatura comigo. Foram muito atenciosos", disse. "Ela falava que ia morrer, sangrando muito. Começou a perdeu a cor, a desmaiar." "Agora, está bem, em casa. Só está bastante abalada e assustada." Em nota, a administradora do hotel lamentou o ocorrido e disse que está prestando "todo suporte necessário" e colabora com as investigações.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos