Topo

Após reunião, Marun e líderes minimizam possibilidade de 3ª denúncia contra Temer

Alan Santos/PR
O deputado Carlos Marun ao lado do presidente Michel Temer, ambos do MDB Imagem: Alan Santos/PR

Carla Araújo e Renan Truffi

De Brasília

01/04/2018 21h18

Depois de se reunirem com o presidente Michel Temer, no Palácio do Jaburu, neste domingo (1º), líderes da base aliada do governo e o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun (MDB-MS), mostraram discurso alinhado sobre a possibilidade de a Procuradoria-Geral da República (PGR) apresentar uma terceira denúncia contra o emedebista. Tanto Marun, como o líder do governo no Senado, Romero Jucá (MDB-RR), e o vice-líder do governo, deputado Darcísio Perondi (MDB-RS), negaram que isso vá acontecer.

O mais enfático foi Marun. "Não existe terceira denúncia. Seguimos governando e não trabalhamos com a hipótese da terceira denúncia", disse, antes de minimizar a possibilidade da investigação contra Temer contaminar os trabalhos no Congresso. "Não acredito que o Parlamento volte fervendo em função de prisões para colher depoimentos. A ideia é que nesta semana seja votada a reoneração (da folha salarial) no Congresso."

Perondi repetiu o discurso e afirmou que o risco de uma terceira denúncia é "baixo". Romero Jucá foi o menos enfático, mas disse que Temer está "tranquilo" e não é "presidente pato manco". "Não tratamos de [eventual] terceira denúncia [contra Temer] na reunião. Temer está tranquilo e preocupado em governar. Não se pode pensar em cima de conjectura. O governo não está focado em terceira denúncia. Presidente que está em pleno exercício de seu poder não é pato manco", afirmou.

Presidente nacional do MBD, Jucá também aproveitou para reafirmar as intenções do partido de lançar a candidatura do presidente à reeleição. "Se depender de nós, do MDB, ele será candidato à reeleição. Ele [Temer] ainda não definiu [a candidatura], mas está trabalhando nessa direção. Eu defendo que Temer tem que ir mesmo para o palanque", complementou.

Apesar do discurso oficial, a prisão do ex-assessor José Yunes e de outros amigos de Temer foi vista nos bastidores como um indicativo de que a procuradora-geral, Raquel Dodge, possa apresentar nova denúncia contra o presidente. Se isso ocorrer, a avaliação no Planalto é que as pretensões eleitorais de Temer seriam minadas. Ele teria novamente que se dedicar a barrar o avanço da investigação na Câmara.

A reunião deste domingo contou também com a presença dos ministros da Casa Civil, Eliseu Padilha, da Secretaria-Geral, Moreira Franco, e do Planejamento, Dyogo Oliveira. O objetivo era sacramentar a ida de Oliveira para a presidência do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e definir seu sucessor no Ministério do Planejamento. O escolhido foi o secretário-executivo da pasta, Esteves Conalgo Júnior.