PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
6 meses
Cerrado tem aumento de destruição em suas áreas protegidas

Área de cerrado no oeste da Bahia - Gui Gomes/Repórter Brasil
Área de cerrado no oeste da Bahia Imagem: Gui Gomes/Repórter Brasil

Roberta Jansen

Rio

17/12/2019 09h59

A destruição nas áreas protegidas do Cerrado aumentou 15% este ano, de acordo com dados do Projeto de Monitoramento do Desmatamento (Prodes), divulgados ontem pelo Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). Os números mostram que a quantidade de vegetação nativa retirada nas unidades de conservação cresceu. De agosto de 2018 a julho de 2019, foram desmatados 517,3 quilômetros quadrados de mata protegida.

De forma geral, no entanto, o desmate do bioma foi o menor registrado desde o início da série histórica, em 2000, ainda que se mantenha em patamar muito alto.

Ao todo, entre agosto de 2018 e julho de 2019, foram desmatados 6.484 quilômetros quadrados - redução de 2,26% em relação ao período anterior. Segundo especialistas, a área corresponde a quatro vezes o tamanho da cidade de São Paulo.

A área do Cerrado abrange os Estados de Goiás, Tocantins, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas, Bahia, Maranhão, Piauí, Rondônia, Paraná e São Paulo, além do Distrito Federal. O Tocantins foi o estado que mais desmatou, seguido de Maranhão e Bahia.

"O que a gente percebe é que o desmatamento é extremamente concentrado nesses três estados, a nova fronteira agrícola brasileira, que é onde ainda tem Cerrado para ser desmatado", afirmou Claudio Almeida, do Inpe, um dos coordenadores do Prodes.

O desmatamento, ainda segundo Almeida, está abaixo da meta estabelecida pelo governo, de 9,5 mil quilômetros quadrados. "Estamos cumprindo a meta, mas, obviamente, o ideal seria conseguir impedir qualquer desmatamento ilegal", disse. "Sabemos que pelo menos 10% desse desmatamento é ilegal porque foi feito em áreas de conservação."

Procurado para comentar os dados, o Ministério do Meio Ambiente não se manifestou.

Para a WWF-Brasil, o Cerrado vive uma tragédia silenciosa e está em risco de extinção.

Cotidiano