Selfie na urna pode dar até dois anos de prisão; veja outras proibições

Luís Guilherme Barrucho

Da BBC Brasil em São Paulo

Eleitores viciados em "selfies" vão precisar conter o impulso de se fotografarem diante da urna eletrônica na votação deste domingo. Caso contrário, podem pegar até dois anos de prisão e pagar multa de cerca de R$ 16 mil.

É o que diz a legislação eleitoral. Segundo o advogado especializado em Direito Eleitoral Anderson Pomini, os autorretratos na cabine de votação infringem não só o sigilo do voto, como prevê o artigo 312 do Código Eleitoral brasileiro (pena de até dois anos de prisão), quanto podem ser considerados uma espécie de boca de urna virtual, caso a imagem vá parar nas redes sociais.

Por este último crime, o eleitor pode ser detido de seis meses a um ano, com alternativa de prestação de serviços comunitários pelo mesmo período, e multa no valor de R$ 5.320 a R$ 15.961,50.

Uma resolução baixada pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) determina que máquinas fotográficas, filmadoras, equipamentos de radiotransmissão e telefones celulares sejam entregues aos mesários antes da votação.

Quem descumprir a regra, pode receber voz de prisão dos presidentes das seções eleitorais, além de ter de pagar multa.

A medida, segundo Pomini, tem o objetivo de proteger o sigilo de voto e impedir que eleitores possam usar as fotos para comprovar em quem votaram, ora por pressão ou troca de favores.

"Essas determinações visam a evitar que o processo eleitoral seja colocado em risco", justificou Pomini à BBC Brasil.

Redes sociais

As proibições também se estendem às redes sociais. Não é permitido no dia da votação fazer postagem em redes sociais, como Facebook, Twitter ou mesmo WhatsApp, pedindo votos para qualquer candidato.

"Trata-se, ao fim e ao cabo, de boca de urna, o que é considerado crime eleitoral. A lei vale tanto para o mundo físico quanto virtual", diz Pomini.

Por outro lado, o eleitor pode dizer em quem votou nas redes sociais. Ainda assim, tem de tomar cuidado, pois se enviar SMS ou Whatsapp sobre sua escolha também pode estar descumprindo a lei.

"O usuário pode postar no Facebook ou no Twitter em quem votou, pois se trata de uma mensagem passiva, ou seja, depende do interlocutor querer lê-la ou não. Essa mesma leitura espontânea não existe quando o eleitor envia uma mensagem ou um Whatsapp para alguém sobre o mesmo assunto, configurando boca de urna, o que é crime eleitoral", explica Pomini.

Segundo o advogado, todos os brasileiros, eleitores ou não, que tiverem conhecimento de infração penal prevista na legislação eleitoral podem fazer denúncias ao juiz da Zona eleitoral onde o crime foi constatado ou pelo site (www.presp.mpf.mp.br/denuncia).

"Vale lembrar que denúncias falsas, de qualquer natureza, são também punidas pela lei", ressalva Pomini.

A pedido da BBC Brasil, o advogado listou o que o eleitor pode e não pode fazer neste domingo. Confira.

Eleitor

O que pode:

Usar camiseta, bandeira, broche e adesivo desde que feitos por eleitores ou parte do uniforme da equipe de campanha. (Dar camisetas, broches ou qualquer tipo de brinde não é mais possível pela legislação eleitoral.)

Fazer postagem em rede social dizendo "eu vou votar em tal candidato". (Não pode mandar SMS nem Whatsapp. Como não é um mural, é uma publicação que necessariamente você escolhe o interlocutor, pode ser classificada como propaganda.)

Usar "cola eleitoral" dentro da cabine de votação, desde que seja em papel, contendo os números dos candidatos em quem deseja votar. Ir com o celular até a seção. Fazer fotos e selfies até a porta da seção. Deixar o celular ligado durante a votação, desde que ele fique sob a guarda dos mesários.

O que não pode:

Tentar convencer os outros a votar no seu candidato ou a não votar em outro candidato. Fazer postagem em rede social ou mandar Whatsapp e SMS dizendo "vote em tal candidato". Mandar sms ou Whatsapp dizendo "eu votei em tal candidato". Fazer manifestação coletiva de apoio ou repúdio a candidato, inclusive vias redes sociais ou grupos de Whatsapp.Usar altofalante, fazer ou participar de carreata ou comício. Distribuir a "cola eleitoral" para outras pessoas, na fila ou nas ruas. Utilizar equipamentos eletrônicos com a "cola eleitoral", como celulares ou tablets dentro da cabine de votação.Ir com o celular até a cabine de votação. Fazer fotos ou selfies na urna.Mesário

O que pode:

Têm como dever anotar a presença do eleitora e habilitar a urna para colher o voto. Orientar o eleitor sobre onde está o painel com nomes e números de candidatos. Dar instruções sobre o funcionamento da urna eletrônica antes que o eleitor entre na cabine de votação.Comunicar eventuais problemas com a urna eletrônica às autoridades.

O que não pode:

Usar camiseta, broche ou qualquer tipo de sinalização de candidato ou partido.Falar bem ou mal de candidato durante o período em que está na seção eleitoral.Tentar convencer eleitores a votar em alguém.Dar dica de número de candidato ou ajudar o eleitor a descobrir o número do candidato.Ajudar a operar a urna eletrônica.Pesquisas eleitorais

O que pode:

Divulgar resultado de pesquisa feita em dia anterior ao da eleição.Fazer pesquisa de boca de urna.

O que não pode:

Divulgar resultado de pesquisa feita no dia da eleição antes do fechamento das urnas.Divulgar resultado de pesquisa não registrada na Justiça Eleitoral.Fiscais e delegados de partidos
 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos