Instabilidade por crise política faz Brasil cair em ranking de países mais pacíficos

  • Ricardo Moraes/Reuters

    Protesto no Rio contra o impeachment de Dilma Rousseff

    Protesto no Rio contra o impeachment de Dilma Rousseff

A instabilidade política fez o Brasil perder posições na lista de países mais pacíficos do mundo, aponta relatório do Instituto para Economia e Paz (IEP), um centro internacional de estudos sobre desenvolvimento humano.

O país caiu duas posições no ranking em relação ao ano passado e é apenas a 105º mais pacífica entre 163 nações avaliadas no chamado Índice Global da Paz (IGP). Ficou atrás de países como Haiti (89º), Jordânia (96º) e Estados Unidos (103º).

"No Brasil, um aumento de 15% na instabilidade política, associado a deteriorações nas taxas de encarceramento e policiamento, mostra uma tendência preocupante a apenas poucos meses do começo dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro", afirmou, em nota, a organização responsável pelo estudo.

A Islândia ficou em primeiro lugar no ranking, seguida por Dinamarca, Áustria, Nova Zelândia e Portugal. Os países menos pacíficos são Síria, Sudão do Sul, Iraque, Afeganistão e Somália.

O índice está na décima edição e avalia 23 indicadores, como número e duração de conflitos internos e externos, taxa de homicídios, possibilidade de manifestações violentas e grau de militarização.

Também classifica as nações em uma escala de um a cinco, onde o número 1 representa mais proximidade do estado de paz, e o número 5, mais distanciamento. O índice do Brasil ficou em 2,176 - a Islândia, primeiro lugar, registrou 1,192, e a Síria, país menos pacífico, 3,806.

No caso brasileiro, o instituto afirma que a instabilidade política foi desencadeada pelo escândalo de corrupção investigado pela Operação Lava Jato, mas pondera que tal cenário ainda não indica maior possibilidade de manifestações violentas.

Um destaque negativo para o Brasil é o alto custo de contenção da violência, estimado em US$ 338 bilhões, ou 14% do PIB - entre os 163 países do estudo, o país é o 32º que mais gasta nesse sentido.

América do Sul

Entre 11 países da América do Sul avaliados, o Brasil aparece como o nono mais pacífico, à frente apenas de Venezuela e Colômbia. Chile, Uruguai e Argentina lideram o ranking regional.

Com níveis mais baixos de militarização e conflitos internacionais por causa de relações mais amigáveis entre nações vizinhas, a América do Sul melhorou levemente a performance em relação a 2015, mas perdeu o posto de quarta região mais pacífica do mundo para a América Central e Caribe.

Segundo o IEP, as regiões mais violentas do mundo continuam sendo o Oriente Médio e o norte da África, e a Europa é a mais pacífica - ainda assim, as mortes em consequência de ações terroristas mais que dobraram no continente europeu nos últimos cinco anos.

Pelo mundo

O planeta ficou levemente mais pacífico no último ano, mas a diferença entre nações pacíficas e violentas continua a aumentar. Enquanto muitos países passam por níveis recordes de pacificação, as 20 nações mais violentas gradativamente se tornam mais perigosas.

No total, 81 países melhoraram seus índices de paz, mas a deterioração verificada em 79 países praticamente superou o impacto desses ganhos.

O cenário se agravou mais no Iêmen, Ucrânia, Turquia, Líbia e Barein. Panamá, Tailândia, Sri Lanka, África do Sul e Mauritânia avançaram mais em pacificação.

No cenário mais amplo, o mundo enfrenta um pico histórico do terrorismo, a maior alta por mortes em confrontos em 25 anos e um nível de refugiados e deslocados por conflitos nunca visto em 60 anos, aponta o relatório.

Segundo o IEP, tais fenômenos estão interligados e têm origem em um pequeno número de países, o que mostra como abalos à paz repercutem mundialmente.

"Enquanto os conflitos internos no Oriente Médio e na África se tornam mais duros, partes de fora estão se envolvendo mais e o potencial para guerras indiretas ou 'por procuração' entre nações está aumentando. Isso é evidente na Síria com o conflito entre o regime de Bashar al-Assad e múltiplos atores não-estatais, agora se espalhando para países como o Iêmen. Há um conflito 'por procuração' mais amplo entre Arábia Saudita e Irã, e mais recentemente Estados Unidos e Rússia elevaram seus níveis de envolvimento", disse, em nota, o diretor-executivo do IPE, Steve Killelea.

E, embora a atividade terrorista esteja altamente concentrada em cinco países - Síria, Iraque, Nigéria, Afeganistão e Paquistão -, o alcance do terrorismo está aumentando, com apenas 23% das nações listadas no índice sem registros de incidentes desse tipo.

O IEP identifica um aumento "dramático" no número de refugiados e deslocados por conflitos, que dobrou de 2007 a 2016 e hoje atinge 60 milhões de pessoas, quase 1% da população mundial. Nove países possuem mais de 10% da população deslocada de alguma forma - índice que atinge 20% na Somália e no Sudão do Sul e 60% na Síria.

O centro de estudos estima que o impacto econômico da violência no mundo em 2015 tenha sido de US$ 13,6 trilhões, ou 13,3% do PIB mundial. O número representa uma queda de 2% em relação ao ano anterior, mas ainda equivale a 11 vezes o montante do investimento direto global.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos