Opinião: França só transfere o problema para outro lugar

Barbara Wesel

Desmonte da "Selva de Calais" não é solução para o problema dos refugiados e muito menos o resultado de uma política humana e responsável, opina a correspondente em Bruxelas Barbara Wesel.De repente, o impossível se tornou realidade: depois que o presidente francês, François Hollande, anunciou querer esvaziar o acampamento de refugiados em Calais, a administração do país encontrou, subitamente, por volta de 7 mil vagas para o acolhimento dos moradores nas regiões francesas. Durante anos, Paris havia se recusado a achar um lugar digno para as pessoas que chegavam à costa norte da França com a esperança de seguir viagem para o Reino Unido. A resposta era que tudo estava lotado. A chamada "Selva de Calais" foi o resultado de uma política migratória que preferia desviar o olhar. O acampamento mostra o fracasso do governo Hollande, que se esquivou de suas responsabilidades por covardia política. Pois as condições em Calais já eram conhecidas há anos. A enorme "selva" surgiu nos arredores do porto depois que outros campos foram fechados sem que se oferecesse às pessoas outro lugar para ficar. Essa favela de refugiados era uma vergonha. Fedia no verão e virava um lamaçal no inverno. Mas Londres e Paris agiam como se não tivessem nada que ver com isso. Os britânicos transferiram seu controle de fronteiras para solo francês – ou seja, a França é que deveria se ocupar dos refugiados. Já os franceses consideravam os migrantes um problema britânico e não faziam nada. A situação só mudou com o início da campanha eleitoral para a presidência francesa, pois os extremistas de direita da Frente Nacional usaram a "selva", de forma bem-sucedida, como munição contra o governo. Com o início da crise migratória, logo os britânicos se entrincheiraram atrás do Canal da Mancha. Como de costume, Londres exerceu a "solidariedade zero". E a França, de olho nos radicais de direita, não se comprometeu com uma política humana para os refugiados e simplesmente desviou o olhar. Foi a constante atenção da mídia que fez da "selva" um vergonha política que não podia mais ser ignorada. Infelizmente, essa não é uma história com final feliz. Pois os migrantes estão sendo espalhados por toda a França sem saberem como será o seu futuro. Eles não foram informados sobre os seus direitos e não houve promessas humanitárias, salvo algumas semanas de paz no interior da França. Daqui a alguns meses, muitos deles provavelmente voltarão para a costa e tentarão, mais uma vez, deixar a França. Outros nem sequer vão deixar a região de Calais porque não perderam a esperança de conseguir cruzar o Canal da Mancha. A vida deles nos novos acampamentos irregulares vai ser ainda mais difícil do que na "selva". O governo francês ficará satisfeito quando terminar de desmontar o acampamento e espalhar as pessoas pelo país. Paris não resolveu os problemas da "selva", só os redistribuiu. Para a França, vale o ditado: o que os olhos não veem, o coração não sente. Se a imprensa parar de escrever sobre o desastre humanitário de Calais, ele logo será esquecido. Uma política humana e responsável é algo bem diferente.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos