Governo da Bolívia vê indícios de tráfico de influência na LaMia

Autoridades bolivianas dizem ter encontrado indicativos de "descumprimento de deveres e uso indevido de influências" por parte da companhia aérea que operava voo da Chapecoense. Investigação deve durar dez dias.O ministro de Obras Públicas da Bolívia, , disse neste domingo (04/12) que o governo encontrou indícios de irregularidades e tráfico de influência na fiscalização à companhia aérea LaMia e ao voo da Chapecoense, que caiu na Colômbia e deixou 71 mortos. "Encontramos indícios de possíveis descumprimentos de deveres, descumprimento de controle interno e, possivelmente, uso indevido de influências", disse o ministro em entrevista ao canal de televisão estatal. As suspeitas se baseiam na relação de parentesco entre um ex-diretor da Direção Geral da Aeronáutica Civil (DGAC) e o diretor-geral da LaMia, Gustavo Vargas Villegas e Gustavo Vargas Gamboa, filho e pai. Vargas Villegas, que já deixou o cargo, era diretor do registro nacional da DGAC, e portanto era responsável por conceder licenças de voo às empresas. Claros lembrou que o Ministério de Obras Públicas – encarregado do transporte aéreo – investiga a regularidade do processo pelo qual a LaMia obteve sua licença de voo e também a autorização do plano de voo do avião acidentado. As autoridades definiram um prazo de dez dias para concluir a investigação. O Ministério abriu um processo contra a companhia aérea e alguns funcionários, afirmou Claros. Na opinião do ministro, o comportamento de alguns funcionários da DGAC e da Administração de Aeroportos e Serviços Auxiliares à Navegação Aérea (AASANA) requer punições drásticas. "É um tema penal. Infelizmente mais de 70 pessoas foram sacrificadas por uma inação, uma irresponsabilidade ao cumprimento da legislação." O avião da LaMia que levava jogadores, dirigentes e membros da equipe técnica da Chapecoense, além de jornalistas, caiu na madrugada da última terça-feira, a poucos quilômetros do aeroporto de Medellín. A equipe catarinense viajava à cidade colombiana para disputar a final da Copa Sul-Americana contra o Atlético Nacional. Após a Aeronáutica da Colômbia confirmar que o avião estava sem combustível no momento da queda, a Aeronáutica Civil da Bolívia suspendeu a licença de voo da LaMia. LPF/efe/lusa

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos