PUBLICIDADE
Topo

Merkel a caminho do quarto mandato

24/09/2017 14h13

Partido da chanceler perde cadeiras no Parlamento, mas segue como maior bancada, suficiente para seguir à frente do governo. Social-democratas voltam à oposição, e populistas de direita alcançam resultado expressivo.Os partidos que estão no governo na Alemanha sofreram perdas significativas, mas chegaram à frente na eleição parlamentar deste domingo (24/09) na Alemanha.A União Democrata Cristã (CDU) e a União Social Cristã (CSU), que concorrem com a chanceler federal Angela Merkel como candidata à reeleição, estão na frente segundo todas as pesquisas de boca de urna.Na da ARD/DW, eles alcançam 32,5%, com perda de 9 pontos percentuais. Na da emissora ZDF, são 33,5%, ou perda de oito pontos percentuais. Se os números se confirmarem, será o pior resultado dos conservadores desde a Reunificação e o segundo pior na história da República Federal da Alemanha.A CSU também deve amargar uma forte queda na Baviera, único estado onde está representada. Uma pesquisa da emissora BR colocou os social-cristãos na frente, mas com 38,5%, bem abaixo do resultado de 2013, de 49,3%.Em segundo lugar nas projeções está o Partido Social-Democrata (SPD), do candidato Martin Schulz, que aparece com 20% dos votos na pesquisa da ARD/DW (perda de 5,7% em relação à pesquisa de 2013) e com 21% na da ZDF (queda de 4,7%).Logo após a divulgação das pesquisas bocas de urna, a vice-presidente do SPD, Manuela Schwesig, anunciou que o partido não vai aceitar formar governo com a CDU/CSU e vai para a oposição. "Este é um resultado muito ruim para o SPD, uma derrota muito dura. Para nós, a grande coalizão acaba aqui", anunciou, em entrevista à ZDF. Segundo ela, a decisão da liderança do partido foi unânime.O terceiro lugar ficou com o partido Alternativa para a Alemanha (AfD), com 13,5% na pesquisa boca de urna da ARD/DW e 13% na sondagem da ZDF. Com isso, o partido terá a terceira maior bancada na Bundestag (Parlamento). Porém, diante do anúncio do SPD, não deverá assumir a liderança da oposição.Como única alternativa viável para os partidos conservadores costurarem uma coalizão restam o Partido Liberal Democrático (FDP) e o Partido Verde, que têm, respectivamente, 10,5% e 9,5% na pesquisa da ARD/DW e 10% e 9% na da ZDF.Essa coalizão deverá, porém, ser difícil de ser formada devido às divergências programáticas entre liberais e verdes e também entre os verdes e a CSU, o partido conservador da Baviera, em temas como a política para refugiados e os transportes.AS/dpa/rtr