PUBLICIDADE
Topo

Moscou afirma que Reino Unido comparar Putin com Hitler é repugnante

O presidente Vladimir Putin com o troféu da Copa do Mundo - Michael Klimentyev/AFP
O presidente Vladimir Putin com o troféu da Copa do Mundo Imagem: Michael Klimentyev/AFP

22/03/2018 10h26

Moscou afirma ser inaceitável e ofensiva a declaração do ministro britânico do Exterior de que Putin usará a Copa do Mundo da Rússia da mesma forma que Hitler usou os Jogos Olímpicos de Berlim de 1936.

O Kremlin classificou nesta quinta-feira (22) de "repugnante" e "inaceitável" o comentário do ministro britânico do Exterior, Boris Johnson, de que o presidente russo, Vladimir Putin, vai explorar a Copa do Mundo da Rússia da mesma forma que Adolf Hitler usou os Jogos Olímpicos de Berlim de 1936.

"Essa é uma declaração completamente repugnante. Isso está abaixo do ministro do Exterior de qualquer país. É sem dúvida ofensiva e inaceitável", disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry  Peskov.

No dia anterior, Johnson concordou com um colega deputado britânico que sugeriu que "Putin vai usar a Copa da maneira que Hitler usou os Jogos Olímpicos de 1936", como um instrumento de propaganda. "Eu acho que a comparação com 1936 está correta", respondeu o ministro, prevendo que Putin vai se "glorificar nesse evento esportivo".

Os comentários surgiram em meio a uma crescente crise diplomática entre Rússia e Reino Unido devido ao envenenamento do ex-espião russo Serguei Skripal, ocorrido em solo britânico no início deste mês. Moscou nega envolvimento no caso.

Em entrevista à imprensa também na quinta-feira (22), o embaixador russo no Reino Unido, Alexander Yakovenko, falou sobre o envenenamento do ex-espião russo, acusando o Reino Unido de ter uma história de violações das leis internacionais. Yakovenko disse que o país não tem credibilidade para investigar o caso e afirmou que o Reino Unido acusa a Rússia, mas não apresentou evidências.

Yakovenko também afirmou que os torcedores britânicos estarão em segurança durante a Copa do Mundo, acrescentando que não haverá a necessidade de vistos para o período.

Expectativas elevadas

Falando a jornalistas, o porta-voz Peskov também alertou contra elevadas expectativas em relação a um possível encontro entre Putin e o presidente americano, Donald Trump. "Não devemos falar sobre grandes avanços", acrescentando ser necessário, primeiro, falar em um início de diálogo. Segundo ele, há um "longo caminho" até se chegar a um avanço nas relações com Rússia e EUA.

Na terça-feira (20), Trump telefonou para Putin, o felicitando pela sua reeleição como presidente russo, e depois afirmou à imprensa que os dois líderes possivelmente se encontrarão em futuro "não muito distante”.