PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
4 meses

EUA oferecem "vias diplomáticas" para Rússia sobre crise na Ucrânia

26/01/2022 22h17

EUA oferecem "vias diplomáticas" para Rússia sobre crise na Ucrânia - Washington rejeita exigência russa de impedir adesão ucraniana à Otan, mas mantem abertura ao diálogo. Conversações entre Kiev e Moscou, mediadas por Alemanha e França, têm início difícil, mas trazem sinais positivos.Os Estados Unidos enviaram uma resposta por escrito às exigências de segurança feitas pela Rússia visando uma possível solução para a crise na Ucrânia. Ao mesmo tempo, a primeira rodada de negociações entre Kiev e Moscou, com a mediação da Alemanha e da França, apresentou alguns sinais positivos.

O secretário de Estado americano, Antony Blinken, disse que um documento entregue pessoalmente nesta quarta-feira (26/01) pelo embaixador americano em Moscou, tratou das preocupações russas, ao mesmo tempo em que elucidou as inquietações dos EUA e seus aliados.

Ele disse que seu país está aberto ao diálogo, embora tenha rejeitado algumas das principais exigências russas, que visavam impedir uma possível adesão da Ucrânia à Otan e a redução da presença de tropas da aliança no Leste Europeu.

Ainda assim, Washington se prontificou a discutir outros temas, como a adoção de medidas recíprocas que poderiam incluir a redução do arsenal de mísseis na Europa, além de outros meios para restabelecer a confiança mútua.

A Rússia está por trás de uma insurgência de separatistas no leste da Ucrânia, que já matou mais de 13 mil pessoas desde 2014, mesmo ano em que Moscou anexou a Península da Crimeia, que era parte do território ucraniano.

"Vias diplomáticas"

A crise entre Moscou e Kiev se agravou nos últimos meses, após o Kremlin enviar milhares de soldados e equipamentos militares à fronteira com o país vizinho, gerando temores de uma invasão.

O documento, segundo Blinken, "apresenta uma série de vias diplomáticas, se a Rússia assim escolher”.

Ele, porém, deixou claro que os EUA não cederão à exigência russa de impedir que a Ucrânia se torne membro da aliança militar do Atlântico Norte no futuro.

"Da nossa perspectiva, quero deixar bem claro: as portas da Otan estão abertas e permanecerão abertas”, afirmou.

"Colocar as coisas por escrito [...] é uma boa maneira de garantir que sejamos precisos, tanto quanto possível, e que os russos entendam nossas posições, nossas ideias, do modo mais claro possível”, afirmou.

O secretário informou que o conteúdo da resposta americana será mantido em sigilo, e que se reunirá novamente em breve com o ministro russo do Exterior, Serguei Lavrov.

Formato Normandia

Em outra tentativa de aliviar as tensões, representantes da Rússia e Ucrânia se reuniram em Paris nesta quarta-feira, com a mediação dos governos da Alemanha e da França. Após várias horas, uma nova rodada de conversações foi marcada para daqui a dias semanas em Berlim.

Representantes da França disseram que nas conversas, no chamado formato Normandia, os dois lados se comprometeram em reaver uma frágil trégua nos conflitos no leste ucraniano, acordada em julho de 2020.

O enviado de Moscou, Dmitry Kozak, disse que as conversas "não foram fáceis”, mas que espera avanços no próximo encontro na Alemanha.

Por sua vez, o representante da Ucrânia, Andriy Yermak, afirmou que o encontro foi um "forte sinal da disposição para um acordo pacífico”. Ele ressaltou que todas as partes envolvidas demonstraram intenção de trabalhar pela resolução de acordos já existentes.

rc (Reuters, AFP)